Reuters/Phil McCarten
Reuters/Phil McCarten

Documentário revela ascensão e queda do ator Val Kilmer

Astro de filmes de sucesso não consegue mais falar por causa de um câncer

AFP, O Estado de S.Paulo

09 de julho de 2021 | 07h36

Val Kilmer voltou ao Festival de Cinema de Cannes na quinta-feira, 8, com um documentário de sabor amargo, revisando sua carreira de sucesso em Hollywood, antes de seu declínio e, eventualmente, de seu câncer, que o privou de sua voz.

Fora da competição, Val, produzido pela Amazon, é um retrato amoroso alimentado por seus próprios arquivos. Embora o ator americano de 61 anos não tenha comparecido a Cannes, seus filhos, Jack e Mercedes, estiveram na apresentação.

Devido à operação na garganta, Val Kilmer não consegue falar direito, mas participa de Top Gun: Maverick, a segunda parte do filme que o tornou famoso e que será lançado em breve.

O documentário, dirigido por Leo Scott e Ting Poo, mostra o ator como uma celebridade desbotada, satisfeita em dar autógrafos em convenções para promover, como ele mesmo confessa, "meu antigo eu".

O filme é baseado em vídeos pessoais do artista, que vive com uma câmera desde a infância, mostrando em sua maioria cenas inéditas de suas filmagens, incluindo alguns de seus maiores sucessos como Tombstone, The Doors e Batman Forever.

Um deles mostra uma discussão entre Kilmer e o diretor John Frankenheimer no set de A Ilha do Doutor Moreau (1996), um fiasco que marcou o início de seu declínio no cinema.

O documentário, no entanto, negligencia seu caráter supostamente irritável. Os diretores “evitam falar de alguns aspectos (...) que teria sido interessante abordar, como sua fama de ator difícil com os diretores”, observou a revista especializada Screen Daily, que julgou ao mesmo tempo que o filme mostra sua "fragilidade" de uma forma "comovente".

Val Kilmer foi o aluno mais jovem a entrar na prestigiosa Julliard School em Nova York. Apesar de sua ambição de fazer filmes de autor, ele atuou principalmente em sucessos de bilheteria e, mais tarde, em fracassos onerosos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.