Herve Martin
Herve Martin

Documentário narra a poderosa trajetória do músico nigeriano Fela Kuti

Com direção de Joel Zito Araújo, longa mostra como o artista foi duramente perseguido pelo exército nigeriano ao defender os direitos humanos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

09 de novembro de 2019 | 06h00

Joel Zito Araújo estreou seu documentário Meu Amigo Fela no Festival Internacional de Documentários É Tudo Verdade, em abril. Recebeu o prêmio especial do júri na competição internacional. Depois disso, levou Meu Amigo Fela a outro festival, na Nigéria, onde a acolhida foi muito favorável. Aplausos e mais aplausos. O filme estreou ontem. É ótimo. Joel Zito – seu nome é trabalho. Entre setembro e outubro, ele filmou sua nova ficção quase toda no Bixiga: O Pai de Rita. Dois sambistas, apaixonados por música e mulheres, e um deles pode ser o pai da Rita. O nome evoca uma famosa composição de Chico Buarque e Chico, de alguma forma, vai estar envolvido na trama. 

Joel Zito conversa com o Estado por telefone do Rio. Meu Amigo Fela, ou Fela Kuti, o músico nigeriano que morreu em 1997 e virou objeto de culto na Europa, nos EUA, na África e também no Brasil. Antes de falar sobre Fela, talvez seja preciso falar de Carlos Moore, o amigo cubano. Conheceram-se em Nova York. Tornaram-se próximos. Moore escreveu um livro, que chegou a oferecer a Spike Lee, na expectativa de que ele se interessasse em transformá-lo em filme, mas sua agenda vive lotada. Não deu. 

Joel Zito não surgiu como nenhum plano B. Ele conheceu Carlos Moore em Salvador, na época em que lançava seu documentário A Negação do Brasil, sobre a representação do negro na ficção audiovisual brasileira. Reencontraram-se na época de As Filhas do Vento, ficção de Joel também centrada na questão da negritude e do feminino na sociedade brasileira.

Tornaram-se amigos, Moore e ele. Muito conversaram sobre questões de raça e gênero. Ao longo da vida, Joel Zito já viajou umas 30 vezes à África. Há tempos queria transformar essas experiências em filme. “Embora seja nosso berço, a África está muito distante. Temos uma visão muito estereotipada ou então romantizada sobre ela. Com Fela e Carlos (Moore) pude entender melhor essa conexão. Houve uma geração de artistas muito fortes, com uma potência estética e política muito grande. Investigar a personalidade e a vida de Fela tornou-se uma prioridade.” Foram mais de quatro anos de trabalho. Joel Zito conta como foi difícil negociar os direitos – de imagens, de músicas – e também como precisou de tempo na montagem. “Principalmente quando trabalho com documentário, sinto que é preciso um tempo de decantação do projeto. Fiz uma primeira montagem, parei. Conversei com muita gente, no Brasil e no exterior, sobre o filme que estava fazendo e queria fazer. Essa parada foi importante. Mais que isso, foi necessária.”

Vale pesquisar um pouco. Olufela Olusegun Oludotun Ransome-Kuti, conhecido profissionalmente como Fela Kuti, Fela Anikulapo Ransome Kuti ou simplesmente Fela, foi um multi-instrumentista nigeriano, músico e compositor, pioneiro do gênero afrobeat, ativista político e dos direitos humanos. A partir de um determinado momento, renunciou ao nome Ransome porque evocava o passado colonial e a experiência da escravidão. Denunciou o Exército nigeriano e sofreu perseguições. Vivia em comunidade com suas mulheres. No documentário, elas contam como as casas eram atacadas e elas agredidas. Sua velha mãe foi lançada por uma janela e sofreu ferimentos letais. Tudo isso o radicalizou, na arte e na vida. Adoeceu gravemente, recusou tratamento. 

O filme não deixa margem a dúvida. Pode ter ficado meio louco, em razão de tanta pressão, mas era genial. Quem o vir tocar no filme só pode amar seu afrobeat.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.