Documentário mostra a força da seleção brasileira

O que um jogo de futebol pode fazer por um país miserável e em estado de guerra civil? Na prática, pouca coisa. No plano simbólico, talvez um pouco. É o que mostra o documentário O Dia em Que o Brasil Esteve aqui, de Caíto Ortiz e João Dornelas, cujo centro é o dia 18 de agosto de 2004, quando a seleção esteve em Porto Príncipe, no Haiti, para disputar um amistoso com o selecionado local. Naquela data, como até hoje, existia a presença de tropas brasileiras para "garantir a ordem". A idéia para o jogo partiu do atual primeiro-ministro haitiano, Gerard Latortue, entendendo que a visita de ídolos como Roberto Carlos, Ronaldo e Ronaldinho Gaúcho a Porto Príncipe poderia minorar um pouco o sofrimento de um povo pobre, e amante do futebol brasileiro. A equipe de filmagem viajou para Porto Príncipe dias antes do jogo, que acabou vencido pela seleção brasileira por 6 a 0, com gol de placa de Ronaldinho Gaúcho. Entrevistaram muita gente, de gente do povo a intelectuais haitianos e militares brasileiros. Puderam sentir o clima nas ruas, quando caminhões militares distribuíam camisetas verde-amarelas que eram disputadas como pão pelos populares. Há muito entusiasmo no filme. E também lucidez por parte pelo menos de um intelectual que denuncia o Brasil por estar utilizando uma espécie de "soft power", um poder suave, no Haiti: conquistando corações e mentes da gente simples com seu melhor cartão-postal, a seleção brasileira. A chegada dos jogadores é muito tocante. Como fizeram questão de frisar vários jogadores, e também Zagallo, nem quando chegaram ao Brasil depois da conquista do penta na Copa de 2002, tiveram recepção calorosa como aquela. Os haitianos são simplesmente apaixonados pela seleção do Brasil. Do ponto de vista cinematográfico, o filme fica um pouco a dever. Gostaríamos de ouvir mais vozes dissonantes da sociedade haitiana, porque afinal de contas o jogo foi mesmo uma operação política, embora o povo tenha adorado. Mas há muito pouca análise. Como se a reflexão ameaçasse a emoção, um problema freqüente de obras que têm o futebol como tema. De resto, o filme serve para, mais uma vez nos mostrar por que a CBF enche a burra com a seleção: não existe melhor produto de marketing. Pelo menos enquanto continuar vencedora. O Dia em Que o Brasil Esteve aqui (Br/2004, 72 min.) - Documentário. Dir. Caíto Ortiz e João Dornelas. Livre. Espaço Unibanco 3 - 17h30, 19 h, 20h20 (3.ª não haverá 19 h, 20h20). Cotação: Regular.

Agencia Estado,

05 de maio de 2006 | 12h46

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.