Documentário é lição de paz e tolerância

Estudante da 7.ª série do ensinofundamental de um colégio judaico, Alessandro Pelosof, de 13anos, não participa do documentário Promessas de um NovoMundo mas é a representação pura e simples daquilo que osdiretores do filme esperam de sua geração. A geração que vaidefinir os rumos do mundo. Alessandro prega a tolerância e a pazentre seu povo e os "inimigos" históricos, os palestinos."Existe esperança se os dois lados refletirem. Caso contrário,haverá mais guerras e mais pessoas vão sofrer", avalia ele.O garoto assistiu ao documentário em companhia de suaturma da escola - e se comoveu. Especialmente, com a cena em quecrianças israelenses e palestinas se encontram e passam a tardejuntas, descobrindo os costumes e pensamentos alheios. Depois, atemática de Promessas foi discutida em sala de aula. "Assimque vimos o documentário, tivemos a idéia de levar os alunospara assisti-lo também", comenta Alzira Ryngelblum,coordenadora de 7.ª série do Colégio Bialik, onde Alessandroestuda. Cerca de 200 alunos, das classes de 7.ª e 8.ª séries edo ensino médio, foram às sessões especiais do filme, que em SãoPaulo são realizadas no Top Cine.De acordo com a administração do cinema, desde quePromessas entrou no circuito, foram marcadas exibições paraescolas, cursinhos, grupos de amigos, de terceira idade, entreoutros interessados. Em cartaz desde dezembro, o documentárioatraiu quase 40 mil pessoas, incluindo público paulista ecarioca. O atual conflito no Oriente Médio contribuiu para aprocura. "No Rio, organizamos uma sessão para os professores,com a presença de especialistas e material de estudo. Mais tarde fizemos isso com alunos", comenta Felícia Krumholz,coordenadora do Oficina Cine Escola, do grupo Estação, quepropõe a formação de novas platéias.O projeto existe há cerca de 17 anos no Rio e foiadotado em São Paulo também. "Trabalhamos qualquer questão queenvolva a educação", explica Felícia. A professora de RedaçãoMaria Marta Jacob, do cursinho Ease (preparatório para aFundação Getúlio Vargas), decidiu complementar as aulas deatualidades com a exibição de Promessas. "Trabalho comtextos argumentativos e dissertativos e para isso é importanteter diferentes visões sobre um assunto", observa a professora."O documentário mostra a possibilidade de se viver em paz."Após assistirem ao filme, os vestibulandos Maisa Araújoe Leandro Graça, ambos de 18 anos, acreditam num possívelentedimento entre os povos, por meio dessa nova geração dejudeus e muçulmanos. "O problema é que os adultos semeiam oódio nas crianças; é muito difícil gostar de um povo cujoexército derruba tudo e mata sua gente", pondera Maisa.Para Leandro, os diretores do Promessas criaram umasituação única, em que crianças de lados opostos se encontram ebrincam normalmente. "A esperança existe dentro de cada pessoae, às vezes, é preciso uma faísca para acendê-la." Leandroaprovou a iniciativa do cursinho de levá-los para conhecer ofilme, mas lamentou a falta de interesse de alguns colegasdurante a projeção. "Como o tema é a esperança, algumas pessoassão atingidas, outras não."Promessas de um Novo Mundo (Promises). Documentário.Direção de Justine Shapiro, B.Z. Goldberg, Carlos Bolado.Israel-EUA/2000. Duração: 90 min. Top Cine 1, às 15h20, 19h40.Livre.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.