Coraci Ruiz
Coraci Ruiz

Documentário autobiográfico feito por mãe acompanha processo de transição de gênero de filho

Com olhar sensível e empático, 'Limiar' estimula espectadores a repensarem corpo e sexualidade

Camila Tuchlinski, O Estado de S.Paulo

16 de agosto de 2021 | 10h00

O futuro da maternidade para uma mulher é como uma série de páginas em branco, que vão sendo preenchidas à medida que a criança se desenvolve. No documentário autobiográfico Limiar, que tem pré-estreia nesta terça-feira, 10, Coraci Ruiz acompanha o processo de transição de gênero do filho que, nas primeiras imagens, aparece ainda bebezinho, quando era chamado de Violeta. 

"A adolescência estava tão longe que eu não imaginava as mudanças que viriam pela frente", diz a diretora na abertura da obra. Em 2016, Ruiz começou o doutorado na Unicamp e, ao mesmo tempo, Noah passou a se sentir diferente: "Quando começou a transição, ele tinha quinze anos. Nessa época, independentemente das questões de gênero, me deparava com a dificuldade de ser mãe de um adolescente, que é uma ruptura muito grande com a relação que tínhamos quando era criança. Os adolescentes são mais fechados, mais difíceis de conversar", lembra a cineasta, em entrevista ao Estadão

O documentário estreia nos cinemas no próximo dia 19, em São Paulo, Rio de Janeiro e Porto Alegre. Em setembro, Limiar entra no Canal Brasil. E é possível ainda agendar sessões pelo site da Taturana, que é a distribuidora da obra.

Por três anos, Ruiz capturou depoimentos de Noah. "A primeira conversa que fizemos com a presença da câmera foi bem legal. Ele não só me contou como estava se sentindo e quais eram as dúvidas que tinha, mas também me explicou, bem didaticamente, as questões que envolvem o corpo, a identidade de gênero, a sexualidade, a expressão", relata. 

Na primeira parte de Limiar, Noah esclarece que gênero está diretamente relacionado à percepção que o indivíduo tem de si, do ponto de vista mental, e não está reduzido a um órgão genital. Para isso, o garoto desenha uma pessoa e aponta que a aparência não define um ser humano. "As pessoas confundem muito, 'ai, você é antifeminista porque você não quer ser uma garota'. É muito ruim isso. Não é que eu não queira ser uma garota. Eu não sou", desabafou na época. 

O filme também faz uma conexão interessante entre três gerações da família e quais conceitos têm sobre relações interpessoais e sexualidade. Ruiz entrevista a própria mãe, avó de Noah. "Quando o meu filho nos trouxe as questões de gênero, que eram uma novidade para nós, tive uma sensação muito forte de que essas duas pontas - avós e neto - se encontravam, tinham essa conexão como desbravadores de novas formas de se viver. Quando ele passa a se entender como uma pessoa trans e compartilha com a gente suas questões de forma tão aberta, estava nos propondo, de maneira muito íntima e visceral, uma revisão profunda da nossa forma de ver o mundo", afirma. Por outro lado, Ruiz percebeu que, mesmo pertencendo a uma família mais aberta ao diálogo, a transição de gênero não é banal. "Como qualquer processo de transformação, exige que a gente deixe algo para trás e abra espaço para o novo. Acho que, por uma questão geracional, para a minha mãe, entender o movimento do Noah foi um pouco mais difícil do que foi para mim, principalmente na questão das alterações no corpo. Mas a base para a superação dessas dificuldades foi sempre o diálogo franco", diz. 

Limiar também traz imagens de três momentos de protestos no Brasil. Ruiz recorda-se de ter participado, ainda criança, nos anos 1980, das Diretas Já. Depois, há dez anos, a diretora esteve na intitulada Marcha das Vadias, pelos direitos das mulheres. "Eu me identifiquei logo com o espírito debochado mas, nessa época, nem me passava pela cabeça a ideia de que ser mulher não era uma determinação biológica", avalia Ruiz. 

Mais recentemente, ela capturou imagens de Noah em manifestação contra a homofobia. Os três episódios, apesar de distintos, foram marcados por discursos contra a intolerância e toda forma de violência. 

Na última parte de Limiar, Noah parece estar mais à vontade com a câmera. "Achei muito legal perceber que ele também tomava a iniciativa para novas entrevistas. E que, quando anunciei que estava encerrando as filmagens, justamente quando iria começar a testosterona (tratamento hormonal para a transição de gênero), ele ficou um pouco frustrado e me perguntou se eu não ia filmar as transformações pelas quais iria passar com a hormonização", lembra. E, orgulhosa da maneira como Limiar aproximou mãe e filho, Ruiz conta: "Um dia ele comentou que, quando rolam conversas sobre 'o que seus pais fizeram quando você se assumiu?', e cada um conta a sua experiência, ele acha muito legal poder dizer: 'A minha mãe fez um filme'. Decidi fazer esse documentário porque queria entrar na disputa pela ideia de família, de mulher, de sexualidade, de gênero", conclui.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.