Documentário analisa indústria alimentícia dos EUA

O documentarista Robert Kenner aindacome hambúrgueres, apesar do que aprendeu ao dirigir "Food,Inc.", filme franco e às vezes chocante que põe a nu aindústria alimentícia dos Estados Unidos. Mas ele prefere pedir um hambúrguer de carne moída na hora,de um único pedaço de carne, em lugar de comprar nosupermercado hambúrgueres prontos para fritar e oriundos de"uma centena de vacas". "Food, Inc.", que fez sua estréia esta semana no Festivalde Cinema de Toronto, examina o "agribusiness" através dosolhares de produtores, consumidores e legisladores,contrastando as imagens corporativas de fazendas limpas eorganizadas com a realidade de fazendas de criação em escalaindustrial e gigantescas fábricas de processamento de carne. As empresas, como Monsanto, Smithfield Foods e Tyson Foods,negaram-se a dar entrevista. "Foi isso o que realmente nos surpreendeu. Elas nãoquiseram falar, não quiserem nos deixar ver de onde vem acomida. Queriam controle total", disse Kenner à Reuters ementrevista sobre o filme. O documentário de 96 minutos mostra avícolas e fábricas deembalagem de carnes, incluindo imagens feitas em segredo detrabalhadores imigrantes jogando frangos em caixotes. Háimagens explícitas de animais indo para o abate e outras. Outros tópicos incluem audiências no Congresso sobresegurança de alimentos, os subsídios ao milho que deixaram oagribusiness crescer tanto, e como a rede varejista Wal-Martestá vendendo produtos orgânicos. "É fácil apoiar coisas como produtos orgânicos ou qualqueroutra que o consumidor queira", diz o comprador chefe delaticínios do Wal-Mart, Tony Airosa. "Se o consumidor o quer, érealmente fácil fazer isso acontecer." O filme, que ainda não encontrou distribuidor, segue deonde parou o documentário "Super Size Me -- A Dieta doPalhaço", de 2004, em que Morgan Spurlock comeu comidaMcDonald's por um mês e ficou doente. Kenner disse que espera que seu filme ajude os consumidoresa fazer opções melhores, talvez optando por produtos cultivadoslocalmente em lugar de importados e dando preferência aalimentos não processados. "A comida industrializada me preocupa em vários níveis",disse ele. "Ela é produzida unicamente pelo lucro, sem levar emconta a saúde das pessoas que a consomem."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.