Disputa pelo Goya gera polêmica na Espanha

Um dia antes da cerimônia de entrega dos prestigiados prêmios Goya, a Academia de Cinema espanhola fez hoje uma denúncia de violência e divulgou um comunicado pedindo liberdade de expressão."Dizemos um claro não ao terrorismo, não ao ETA, não à guerra, não à tortura... não, a ter que reafirmar permanentemente que rechaçamos todo tipo de violência", diz o comunicado da Academia, acrescentando que "diante de tantos nãos, queremos dizer sim à liberdade de expressão, ao senso comum, à tolerância, ao respeito, à cultura e sobretudo, sim aos filmes".A polêmica surgiu em resposta aos planos da Associação de Vítimas do Terrorismo de protestar durante a cerimônia de entrega do prêmio Goya, contra o documentário La Pelota Vasca, do diretor vasco Julio Medem, que segundo os críticos, concede uma grande importância aos separatistas vascos e ao grupo armado ETA".O diretor do filme divulgou uma declaração na imprensa condenando o terrorismo do ETA e lamentando que "certos membros" da associação estejam sendo utilizados para fins políticos a apenas seis semanas das eleições gerais na Espanha.A União Européia e os EUA consideram a ETA uma organização terrorista, responsável pela morte de mais de 800 pessoas em três décadas de lutas para conseguir um estado independente vasco no norte da Espanha.Daniel Portero, porta-voz da associação das vítimas, disse à imprensa que "estamos cansados de ser usados politicamente tanto pelo governo quando pela oposição. Somos pessoas que falamos de nossos sentimentos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.