Disney estuda se desfazer da Miramax

O desentendimento do diretor executivo da Disney, Michael Eisner, com os irmãos Bob e Harvey Weinstein, diretores da sua subsidiária Miramax, está longe de acabar. Depois da confusão em torno da distribuição do novo filme de Michael Moore, Fahrenheit 9/11, vetado pela Disney, Eisner está considerando a possibilidade de vender o estúdio Miramax de volta aos Weinsten, co-fundadores da empresa comprada pela Disney em 1993, segundo reportagem publicada hoje no jornal The New York Times.As relações entre os três nunca foram das melhores. Há tempos os dois irmãos tentam fugir da estrutura coorporativa da Disney e procuram financiar projetos fora da empresa. Mas a polêmica da distribuição do premiado Fahrenheit 9/11 pode ter levado Eisner ao limite. Após o veto da Disney, e a péssima repercussão na mídia, os irmãos Weinstein criaram uma nova empresa para poder vender o polêmico documentário.A questão é saber se os dois irmãos terão capital para comprar de volta a empresa que criaram. Uma alternativa a isso, seria a venda da Miramax sem sua longa lista de títulos, que inclui os premiados Shakespeare Apaixonado e Chicago. Além disso, fontes da Disney dizem que a Miramax não está rendendo tanto quanto o esperado. Analistas especulam que o valor da empresa esteja em torno de US$ 2 bilhões, muito mais do que os US$ 80 milhões que os Weinstein pediram à Disney em 1993. Mas não há pressa para que o assunto seja resolvido, pois o contrato dos Weinstein com a Disney só termina no ano que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.