Disney e Pixar encerram parceria

Depois de uma produtiva parceria que rendeu bem sucedidos filmes de animação como Monstros S.A e Procurando Nemo, os estúdios Disney e Pixar não vão mais produzir juntos. Pelos últimos 10 meses, as empresas tentaram chegar a um acordo que permitisse continuar a parceria, mas um conflito de interesses pôs fim à negociação. Uma pessoa que participou das negociações disse à Associated Press, sem se identificar, que a Pixar queria ficar com o copyright dos cinco desenhos que produziu com a Disney até hoje e dos outros dois que ainda serão lançados pelos dois estúdios, The Incredibles e Cars. Oficialmente, a Disney afirma que a proposta da Pixar lhe tiraria centenas de milhões de dólares a que tem direito, sem no entanto compensar o estúdio pelas perdas. Pelos termos da parceria que agora termina, a Disney tem o direito de produzir seqüências dos filmes já feitos. Pela proposta da Pixar, esta prerrogativa seria extinta. Além disso, ceder o copyright faria a Disney perder as receitas com licenciamento de produtos com a marca dos filmes. Como a Disney não aceitou as condições da Pixar, esta última decidiu encerrar as negociações. Há quem ache que a Disney vai sair perdendo, uma vez que a tecnologia de animação digital que deu vida a personagens como o peixinho Nemo é toda da Pixar. Mas alguns analistas de mercado acham que o estúdio fez bem em não aceitar um acordo a qualquer custo. "Esta é a questão: a área de animação da Disney pode produzir os hits que a própria Disney costumava produzir sem a ajuda de ninguém?", pergunta Janna Sampson, que trabalha em uma financiadora de filmes. A pergunta é pertinente. Nos últimos anos, a Disney sozinha produziu filmes de animação que foram, no máximo, sucessos medianos, como Lilo & Stitch. Outros foram fracassos, como Atlantis. Em 1999, a empresa fechou seu estúdio de animação em Orlando, na Flórida, e diminuiu sua equipe de animadores de 2.200 para 600 profissionais. Pela primeira vez em muitos anos, o estúdio não tem nenhum desenho animado feito à mão em produção.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.