Diretores dos EUA fazem acordo preliminar com estúdios

Novo convênio abre esperança de que roteiristas, em greve desde 5 de novembro, voltem a negociar

Efe,

08 de janeiro de 2018 | 04h41

O Sindicato de Diretores dos Estados Unidos (DGA) obteve um acordo provisório com a Aliança de Produtores de Cinema e Televisão (AMPTP) sobre os termos do novo convênio coletivo para os próximos três anos. Em comunicado do DGA, o presidente do comitê de negociação do sindicato, Gil Cates, afirmou que se trata de um acordo "pioneiro e substancial", pois os benefícios que os diretores e suas equipes terão com o novo convênio coletivo são "extraordinários". O anúncio do acordo alcançado entre os diretores e as produtoras ocorre cinco dias depois que as partes retomaram as negociações. "As negociações foram difíceis e vão requerer concessões de ambas as partes", disse o presidente do DGA, Michael Apted. O novo convênio incluirá cláusulas legais sobre o tipo de programas que poderão ser distribuídos pela internet e sobre as retribuições que os diretores receberão por seus trabalhos divulgados na internet. O acordo preliminar obtido entre diretores e os estúdios abre a esperança de que os roteiristas, em greve desde 5 de novembro, se sentem novamente para negociar com os produtores. No dia 7 de dezembro, as negociações entre os roteiristas e a Aliança de Produtores de Cinema e Televisão foram abruptamente interrompidas após quatro dias de conversas e desde então não houve planos dos escritores para retomar as conversas. A disputa entre os roteiristas e os estúdios se concentra no valor que os escritores recebem pela venda das séries de televisão em DVD, que gera rendas substanciais para os estúdios, e as exibições das séries pela internet.

Tudo o que sabemos sobre:
EUAgreveroteiristascinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.