Mostra de Cinema
Mostra de Cinema

Diretora de ‘Tamara’ fala sobre transexualidade

Elia K. Schneider explica como o filme sobre a transexual venezuelana prossegue seu envolvimento com o tema dos direitos humanos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2018 | 06h00

Em todo o Brasil, na esteira do processo eleitoral, têm pipocado episódios de homofobia brava. Por isso mesmo, na entrevista que deu ao Estado antes da estreia de seu filme, a diretora Elia K. Schneider, de Tamara, manifestou sua preocupação. “Trabalho com direitos humanos e o Brasil, infelizmente, é um dos campeões mundiais de casos de violência contra mulheres, gays e negros. Nesse processo de direitização que vive o mundo, tudo o que não precisamos é de incentivo a mais violência.”

Numa entrevista por telefone, Elia cita o caso da Venezuela. “Nasci nesse país, mas me criei fora. Sempre quis fazer teatro, cinema, mas meus pais eram contra. Não achavam nem mesmo que isso fosse uma profissão. Fui fazer teatro em Nova York, que é um enclave de liberdade nesses EUA que o fenômeno (Donald) Trump está levando a lugares muito perigosos.” Envolvida com direitos humanos, Elia impressionou-se com a Venezuela – “Como um país tão católico e homofóbico incorporou uma personagem como Tamara Adrián, a ponto de fazer dela uma deputada no Congresso Nacional?”

Tamara nasceu Teo Almanza. Levou toda uma vida tentando se ajustar a essa persona masculina. Casou-se, lecionou na Universidade Católica da Venezuela. Mas, internamente, sentia-se mulher e tinha saudades do tempo em que, estudando em Paris, agia e vestia-se como uma. Uma breve ausência da mulher permite a Teo retomar o gosto pelo travestismo. A relação com uma garota, que o aceita como transexual, ajuda no processo de transformação. Teo faz cirurgia de mudança de sexo e vira Tamara. Milita na política, elege-se para o Congresso.

“Nunca pensei que estava fazendo um filme sobre uma transexual, embora Tamara seja, claro. Para mim sempre foi uma pessoa tentando ser aceita como aquilo que é. E assim como a própria Tamara enfrentou e venceu preconceitos, o filme viveu um processo similar. Nunca imaginei que viraria um fenômeno de bilheteria na Venezuela, nem que seria o indicado do país para concorrer a uma vaga no Oscar. Outro filme sobre transexualidade pode ter chance na Academia? Afinal, o vencedor do Oscar de filme estrangeiro no ano passado foi Uma Mulher Fantástica, do chileno Sebastian Lelio, com a transexual Daniela Vega. 

Elia não quer alimentar falsas expectativas, mas duvida que a Academia elimine por similaridade – “Senão não teríamos tantos vencedores sobre Holocausto. Tudo vai depender dos filmes que estão concorrendo e da qualidade. No caso de Tamara, gostaria muito que o mundo todo apreciasse o trabalho de Luís Fernández. É um ator e escritor muito conhecido na Venezuela. Trabalhamos muito, Luís, o roteirista Fernando Buttazoni e eu, para expressar a transformação. Ela envolveu cirurgias, dor física. Teo foi humilhado pela família, em hospitais, aeroportos, na universidade. Luís faz essa passagem do masculino para o feminino de uma forma muito verdadeira, trabalhando com o movimento do corpo, com o olhar. Superou minha expectativa. É excepcional.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.