Diretor Serguei Dvortsevoy ganha prêmio no Festival de Cannes

'Tulpan' venceu a premiação Certain Regard (Um Certo Olhar) na noite que concedeu dois prêmios extras

Efe,

08 de maio de 2024 | 20h17

O filme Tulpan, do diretor do Cazaquistão Serguei Dvortsevoy, ganhou neste sábado, 24, o prêmio Un Certain Regard (Um Certo Olhar), segunda seção oficial competitiva do Festival de Cannes, cujo júri deu excepcionalmente cinco prêmios em lugar dos três previstos.   Veja também: Acompanhe a cobertura no blog do Merten   Teste seus conhecimentos sobre o Festival de Cannes  Madonna leiloa 'show particular' por R$ 925,1 mil em Cannes Wenders fala de morte e vida em 'Sob o céu de Palermo' Curta brasileiro ganha prêmio em Cannes   Tulpan situa sua narrativa no Cazaquistão, para contar os sonhos e frustrações de um jovem habitante da região, rejeitado por sua prometida, por ter orelhas muito grandes.   O prêmio do Júri foi para Tokyo Sonata, filme no qual Kiyoshi Kurosawa retrata a crise de uma família japonesa; enquanto o prêmio Coup de Coeur foi para Wolke 9, do diretor alemão Andreas Dresen, uma bela e inesperada história de amor passada nos anos 60.   "Como teve um filme que deixou todos boquiabertos", explicou o diretor e presidente do júri Fatih Akin, foi criado um prêmio especialmente para Tyson, de James Toback, documentário sobre a vida do famoso boxeador que, de fato, deu ao 61º Festival de Cannes um de seus momentos auge.   O quinto prêmio da noite foi o Da Esperança, que foi para o filme Johnny Mad Dog, de Jean-Stéphane Sauvaire, sobre as crianças da guerra da Libéria.   O júri decidiu, além disso, fazer uma "homenagem particular aos filmes e à obra de Raymond Depardon, que competia nessa mesma categoria com La Vie Moderne.   O presidente do júri, o diretor alemão de origem turca de Do Outro Lado (2007) e Contra a Parede (2003), explicou que a qualidade dos filmes este ano foi excelente e que, por isso, decidiram dar cinco prêmios após pedir e obter a permissão das "autoridades" do evento.   Os outros membros do júri eram o diretor da Filmoteca espanhola, José María Prado; a jornalista de televisão indiana Anupama Chopra; o crítico egípcio Yasser Moheb; e a jornalista do primeiro canal nacional da televisão russa, Catherine Mtsitouridze.   Dentre os 20 filmes selecionados nesta seção figuravam três latino-americanos, entre eles o segundo longa-metragem do mexicano Amat Escalante, que causou sensação há alguns anos na categoria Um Certo Olhar com Sangue Pazzo.   O diretor americano de origem brasileira Antonio Campos, com Afterschool, e o brasileiro Matheus Nachtergaele, com A Festa da Menina Morta, eram os outros dois diretores latino-americanos.   No total, participavam este ano 20 filmes - sete deles de diretores estreantes - realizados por 23 artistas, procedentes de 23 países, conforme informou o diretor-geral do evento, Thierry Frémaux, ao abrir a cerimônia de entrega de prêmios na sala Debussy.   Neste domingo, 25, acontecerá a festa do 61º Festival de Cannes quando será entregue a Palma de Ouro a um dos 22 filmes que competem por ela, dos quais dois brasileiros: Blindness, de Fernando Meirelles e Linha de Passe, de Walter Salles e Daniela Thomas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.