Diretor rejeita ligação com Israel antes do Oscar

O codiretor árabe-israelense do filme "Ajami", candidato ao Oscar de melhor filme estrangeiro, disse no domingo que não representa Israel na cerimônia deste domingo.

REUTERS

07 de março de 2010 | 15h32

Os comentários de Scandar Copti, feitos em entrevista de Los Angeles à Rádio Israel, foram condenados pela ministra da Cultura israelense, que disse estar triste que o cineasta, que aceitou fundos do governo para o filme, esteja criticando o seu país.

"O filme tecnicamente representa Israel", disse Copti. "Eu não represento Israel. Eu sou um cidadão israelense, mas eu não posso representar um país que não me representa."

Seus comentários geraram reclamações de muitos cidadãos árabes, que constituem um quinto da população de Israel, de que eles sofrem discriminação, particulamente em financiamentos.

"Ajami", uma história de crime e violência ambientada em uma favela de maioria aárabe em Jaffa, parte de Tel Aviv, é o terceiro filme israelense consecutivo a ser nomeado ao Oscar de melhor filme estrangeiro desde 2007.

Copti dirigiu o filme com o judeu de Israel Yaron Shani.

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEOSCARISRAEL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.