Brendan McDermid/Reuters
Brendan McDermid/Reuters

Diretor Peter Jackson pode depor contra Weinstein em processo de Ashley Judd, diz advogado

A ação da atriz acusa Harvey Weinstein de influenciar o cineasta a não contratá-la em 1998 para 'O Senhor dos Anéis'

Alex Dobuzinskis, Reuters

19 Setembro 2018 | 11h30

O diretor do filme O Senhor dos Anéis, Peter Jackson, conversou com a equipe legal da atriz Ashley Judd e pode dar um depoimento "poderoso" em apoio a seu processo contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, por difamação e assédio sexual, disse o advogado de Ashley na terça-feira, 18.

A ação civil da atriz, apresentada em abril, acusa Weinstein de influenciar Jackson a não contratá-la em 1998 para a popular franquia de O Senhor dos Anéis, como retaliação por Ashley ter recusado suas propostas sexuais.

O processo cita uma entrevista com Jackson publicada no site neozelandês Stuff em dezembro de 2017 na qual, segundo citações, o diretor disse ter ouvido da antiga produtora de Weinstein, Miramax, que era "um pesadelo trabalhar" com Ashley.

Segundo a reportagem, o diretor neozelandês disse que o comentário sobre a atriz o persuadiu a não contratá-la, mas que mais tarde passou a acreditar que ela teria sido vítima de uma "campanha difamatória". A porta-voz de Jackson se recusou a fazer comentários adicionais na terça-feira.

Weinstein também foi acusado de agressão sexual em outro caso criminal em Nova York. Ele nega ter tido relações sexuais não-consensuais com qualquer pessoa.

Ashley foi uma das primeiras mulheres a acusarem Weinstein de assédio sexual em outubro de 2017, ajudando a dar força ao movimento virtual #MeToo, que levou à queda de diversas figuras de destaque da mídia, do entretenimento, da política e do empresariado dos Estados Unidos. Sua ação pode ir a julgamento dentro de um ano, disse o advogado da atriz, Theodore Boutrous, a repórteres.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.