Claudio Onorati/EFE
Claudio Onorati/EFE

Diretor Michael Mann vai presidir júri do Festival de Veneza

Cineasta comanda painel que decide os prêmios principais na mostra anual de cinema na Itália

REUTERS

01 de junho de 2012 | 11h55

O diretor norte-americano Michael Mann vai comandar o júri do Festival de Cinema de Veneza deste ano, que acontece de 29 de agosto a 8 de setembro, informaram os organizadores do evento nesta sexta-feira.

Mais conhecido por dirigir os filmes O Último dos Moicanos, Colateral, Heat e Inimigos Públicos, o cineasta, roteirista e produtor, de 69 anos, vai presidir o painel que decide os prêmios principais na mostra anual de cinema.

Entre os prêmios está o cobiçado Leão de Ouro de melhor filme, que no ano passado foi para Fausto, dirigido pelo russo Alexander Sokurov.

Um comunicado do festival chamou Mann de "um cineasta total e uma das figuras mais influentes e representativas do cinema norte-americano contemporâneo".

Mann chega em um momento de transição para Veneza, com o diretor recém-chegado do festival, Alberto Barbera, prometendo um evento "mais sóbrio, menos chamativo" em sua 69a edição.

O antigo diretor Marco Mueller, que agora comanda o Festival Internacional de Cinema de Roma, na maior parte das vezes foi bem sucedido em misturar filmes de baixo orçamento de todo o mundo com estrelas do alto escalão de Hollywood no tapete vermelho.

Ambos são ingredientes vitais para a sobrevivência de um festival de cinema em uma área cada vez mais competitiva, e o papel de Veneza foi se tornando mais complicado devido a projetos de construção no local do evento e o fato de ocorrer ao mesmo tempo em que o Festival de Toronto.

Veneza está lançando um pequeno mercado cinematográfico este ano para ajudar a competir com Cannes e Berlim, onde a compra e venda de filmes é ingrediente chave para o sucesso.

(Reportagem de Mike Collett-White)

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEVENEZAJURI*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.