EFE
EFE

Diretor do cultuado 'Thriller', de Michael Jackson, despreza filmes de Hollywood

John Landis é homenageado pelo Festival de Cinema Fantástico de Madri

EFE

27 de maio de 2016 | 14h10

O diretor John Landis, que fez história no cinema com o longa Um Lobisomem Americano em Londres e filmou o videoclipe mais famoso da história, Thriller, de Michael Jackson, acredita que a maioria dos filmes que são produzidos atualmente em Hollywood são "uma merda".

Landis, de 65 anos, recebe nesta sexta-feira, 27, uma homenagem no Festival de Cinema Fantástico de Madri, coincidindo com o 35º aniversário do lançamento de seu "homem lobo", mas confessa se sentir estranho com o título "Mestre do Fantástico".

"Eu gosto do gênero de fantasia, mas é muito raro. Eu fiz comédias e musicais, incluindo westerns, mas não tanto terror", ressaltou em entrevista à Agência Efe o diretor de "O Clube dos Cafajestes" (1978) e "Os Irmãos Cara de Pau" (1980).

Landis também foi um dos diretores do filme de 'terror cult' "No Limite da Realidade" (1983), codirigido ao lado de Joe Dante, George Miller e Steven Spielberg, cuja filmagem marcou uma das páginas mais obscuras de sua carreira.

Um acidente de helicóptero provocou a morte de duas crianças e do ator Vic Morrow, e o longo processo judicial prejudicou notavelmente sua reputação, apesar de ter sido absolvido.

No mesmo ano em que "No Limite da Realidade" chegou aos cinemas, estreou o videoclipe de "Thriller" e um dos filmes mais famosos de Landis, "Trocando as Bolas". Embora tenha seguido dirigindo nas últimas décadas - mais para a televisão -, seus trabalhos tiveram menor repercussão.

"Estou envolvido em três projetos atualmente - não quis dar detalhes - e um livro que tenho que escrever. Se fizesse um filme agora teria que ser realmente especial, e a maioria do que estão fazendo atualmente é uma merda", declarou.

Sobre "Um Lobisomem Americano em Londres" (1981), o diretor destacou que foi um filme "radical" em sua época.

Não era tão habitual a mistura de humor e terror. A cena da transformação do protagonista em lobo também causou um grande impacto no público, incluído Michael Jackson, que o chamou para dirigir seu famoso videoclipe.

Landis escreveu o roteiro quando tinha apenas 18 anos, e demorou mais de uma década para convencer um produtor a filmá-lo. "A resposta era sempre a mesma: divertida demais para um filme de terror, ou aterrorizante demais para ser uma comédia", lembrou.

A ideia do filme veio durante uma viagem para a Iugoslávia, onde realizou seu primeiro trabalho num estúdio de cinema como assistente na filmagem de "Os Guerreiros Pilantras", uma comédia sobre a Segunda Guerra Mundial protagonizada por Clint Eastwood.

"Trabalhei em mais de 100 filmes antes de rodar meu primeiro trabalho, era outra época", finalizou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.