Diretor de "Giant Robo" visita SP

Quem tem menos de 25 anos não deve lembrar da série japonesa Robô Gigante, que nos anos 70 fazia uma legião de jovens telespectadores arregalarem os olhos na frente da TV da mesma forma que a garotada de hoje faz com Digimons e similares. Contemporâneo de Ultraman, Ultra Seven e cia., o Robô Gigante era uma poderosa máquina a serviço do bem, última linha de defesa do planeta contra monstros que hoje provocariam risos da geração digital.Na década de 90, o diretor de animação japonês Yasuhiro Imagawa decidiu fazer um tributo à essa época e personagem inesquecíveis. Nasceu então a série Giant Robo, adaptação para o anime (desenho animado japonês) do antigo seriado. A criação de Imagawa se tornou aclamada com razão. É uma obra que manteve a essência - por que não dizer a a pureza? - do Robô Gigante. É escorado por esses e outros créditos no currículo que Imagawa foi convidado pela Fundação Japão para realizar um workshop de animação e uma palestra, nessa quarta-feira, às 14 e 17 horas, respectivamente, no auditório da fundação. Ele dará o workshop ao lado da roteirista e produtora Sayoko Kinoshita. Após a palestra de amanhã, haverá uma exibição de Giant Robo.Quinta-feira, haverá, às 19 horas, um painel de debates com Sayoko, Imagawa, a pesquisadora Cristiane Sato e o diretor do Anima Mundi, Marcos Magalhães.Giant Robo reúne característias típicas dos animes, como os traços caricatos dos personagens e a ocidentalização. Não é um obra-prima, mas é um trabalho que une sensibilidade, qualidade técnica e uma trilha sonora eficiente. E o mais importante: mantém a base do seriado que lhe deu origem. O principal personagem, o robô, remete ao original, com seu visual cheio de referências egípcias, e responde apenas ao comando do jovem Daisaku Kusama.A trama se passa num futuro próximo, quando os problemas de energia do planeta foram solucionados com a criação do Drive Shizuma, fonte de energia inesgotável cujos testes eliminaram um terço da população mundial. O filho do falecido inventor da geringonça volta 20 anos depois para vingar o pai, que ele considera injustiçado. Ele é o líder do grupo terrorista Big Fire, cujo propósito é apropriar-se dos protótipos do Shizuma que causaram a tragédia e mergulhar a Terra na escuridão total. No pólo oposto estão Kusama e seu robô, que trabalham para a Organização Internacional de Polícia e travam batalhas espetaculares com o vilão e seus asseclas.Giant Robo faz parte do seleto grupo de filmes de animação que fazem pais e filhos terminarem de assistir ao desenho com um sorriso de orelha a orelha. E, como faziam 20 anos atrás, lamentando não ter um robô daqueles só para eles.Giant Robo. Workshop, palestra e ciclo de debates com Yasuhiro Imagawa. Entrada gratuita. Fundação Japão. Av. Paulista 37, 1.º andar, tel. 3141-0110.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.