Alberto Pizzoli/ AFP
Alberto Pizzoli/ AFP

Diretor de 'Cinema Paradiso' nega acusação de assédio

Giuseppe Tornatore também disse que cogita apresentar uma queixa formal contra a atriz que o denunciou

AFP

06 de novembro de 2017 | 09h59

ROMA - O diretor italiano Giuseppe Tornatore, que em 1990 venceu o Oscar de filme estrangeiro por Cinema Paradiso, desmentiu formalmente neste sábado ter importunado há 20 anos uma atriz em seu escritório.

Tornatore foi acusado pela atriz Miriana Trevisan, de 44 anos, de ter tentado beijá-la e acariciá-la há 20 anos, em uma entrevista à revista Vanity Fair.

+ Crimes sexuais na indústria do entretenimento: saiba mais

"Fui ao escritório de Giuseppe Tornatore. Meu agente havia organizado a reunião (...)", contou. "Ao fim do encontro, Tornatore me acompanhou até a porta, me empurrou contra a parede, começou a beijar meu pescoço e as orelhas, suas mãos nos meus seios", disse Trevisan.

A atriz afirmou que conseguiu escapar e que, provavelmente, o diretor "não se lembrava" do ocorrido.

Tornatore, de 61 anos, disse ao jornal La Repubblica não lembrar de tal cena: "Não encostei um dedo nela".

"Lembro de um encontro cordial e rejeito estas acusações", completou, antes de informar que cogita apresentar uma queixa formal.

O suposto caso foi revelado no momento em que cresce a lista de figuras importantes de Hollywood e de outros lugares do mundo, incluindo políticos, acusados de agressão sexual ou estupro, após o escândalo inicial que envolveu o produtor Harvey Weinstein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.