Vitrine Filmes
Vitrine Filmes

Diretor de 'A Rosa Azul de Novalis' fala de seu filme

Obra ganhou o prêmio especial do colegiado de cinema da APCA e uma menção na mostra Novos Rumos

Luiz Carlos Merten, O Estado de S. Paulo

24 de dezembro de 2019 | 07h00

Em sucessivos foros onde apresentou A Rosa Azul de Novalis (Berlinale, Mix Brasil, etc.), o diretor Gustavo Vinagre – que coassina a obra com Rodrigo Carneiro – repetiu sempre a mesma coisa. “Vivemos num mundo tão reprimido que ninguém se choca mais com a violência, mas ainda criticamos a imagem do sexo.” A Rosa Azul ganhou o prêmio especial do colegiado de cinema da APCA e uma menção especial para o ator Marcelo Diorio na mostra Novos Rumos, do Festival do Rio. Marcelo é assumidamente gay, e soropositivo. Como o tio Bonmee de Apichatpong Weerasethakul, que acreditava reviver suas vidas passadas, ele está convencido de que, em outra encarnação, foi o poeta romântico alemão Novalis.

O próprio Vinagre, que já dirigiu Lembro Mais dos Corvos – com a trans Julia Katharine –, faz a advertência sobre seu filme, porque ele tem cenas de sexo. Por mais árduo que isso possa parecer para muitas pessoas, A Rosa Azul transcende o sexo, e até formas narrativas tradicionais – é documentário, mas possui cenas encenadas, portanto nas bordas (da ficção) –, para debater questões estéticas, metafísicas, até teológicas.

Nada é impossível – para Deus –, enquanto a jornada humana é marcada, na concepção de Novalis, pela busca por uma inatingível rosa azul, que virou símbolo do romantismo. Esse romantismo atravessa o filme, entrando muitas vezes em choque com o naturalismo das cenas de sexo, que são explícitas. 

A morte e o posterior velório do irmão revelam que Diorio consegue ser um extraordinário ator de si mesmo. Está sendo sincero, fingindo? Mas não foi Fernando Pessoa quem disse que o artista é um fingidor, que finge ser dor a dor que sente de verdade? Durante todo o tempo ele se questiona, e questiona o mundo. Assume-se como agente subversivo do sistema. Critica o pai e o avô como representação de uma ordem patriarcal e homofóbica. Autodefine-se como ‘peixe com ascendente em câncer’ e explica – “É como a Dory de Procurando Nemo morrendo de linfoma. A gente chora muito”. 

Ao apresentar Lembro Mais dos Corpos e A Rosa Azul, Vinagre também diz que são filmes que naturalizam vozes que costumam ser vistas como diferentes. Rodrigo Carneiro e ele foram colegas no curso de cinema em Cuba. Trabalham juntos – Carneiro tem formação como montador –, mas é o primeiro crédito de codireção. 

A proposta de viajar na cabeça do personagem é radical, mas deu certo. Em todo o mundo, o filme tem sido recebido com admiração e respeito. Para a prestigiada revista Cahiers du Cinéma, é audacioso, brilhante, por vezes chocante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.