Diretor Brian de Palma repudia cortes em filme sobre o Iraque

O veterano diretor de Hollywood Briande Palma criticou o que classificou de a censura do seu novofilme sobre o Iraque e o efeito negativo dos interessesempresariais norte-americanos sobre a guerra. "Redacted" (o título significa "cortado" ou "editado") ébaseado na história verídica de um grupo de soldadosnorte-americanos que estupraram e mataram uma garota iraquianade 14 anos e assassinaram membros de sua família. O filme, que terá a estréia comercial nos EUA em novembro,tem chocado o público com imagens de impacto e perturboucomentaristas conservadores norte-americanos. Mas de Palma diz estar revoltado porque o drama em estilodocumental --cujo título vem de opinião dele de que a coberturade mídia sobre a guerra tem sido incompleta-- teria sidocensurado. A distribuidora do filme, Magnolia Pictures, ordenou quefossem apagados os rostos de iraquianos mortos mostrados numamontagem de fotos no final do filme. "'Redacted' foi censurado. É irônico", disse de Palma, queficou célebre por filmes como "Scarface" e "Os Intocáveis", ementrevista. "Lutei de todas as maneiras para impedir que asfotos foram censuradas, mas perdi." O diretor, que criticou Hollywood por não querer financiarfilmes independentes como o dele, afirmou que ficou chocado coma própria falta de controle editorial. Ele culpou "as seguradoras" por exercer controle demaissobre a distribuição do filme. O presidente da Magnolia, EamonnBowles, admitiu que a distribuidora não poderia segurar o filmese as fotos não editadas fossem incluídas. Elas foramconsideradas chocantes demais para serem publicadas em jornaise matérias de televisão. De Palma disse que espera que as imagens vistas em"Redacted" suscitem um debate público nos EUA sobre a condutade soldados americanos na guerra. Abeer Qasim Hamza al Janabifoi estuprada, morta e teve seu corpo queimado por soldadosnorte-americanos em Mahmudiya, ao sul de Bagdá, em março de2006. Seus pais e outro membro da família também foram mortos. De Palma, que destacou as atrocidades da guerra em "Pecadosde Guerra" (1989), que também mostra o estupro de uma jovem porsoldados norte-americanos, acha que a cobertura das guerraspela mídia mudou desde a Guerra do Vietnã. "Víamos soldados tombados, víamos vietnamitas sofrendo.Agora não vemos nada disso. Vemos bombas que explodem, mas ondeelas caem? A quem atingem?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.