Divulgação
Divulgação

Diretor brasileiro leva seu primeiro longa ao Festival de Berlim

'Hoje eu Quero Voltar Sozinho', de Daniel Ribeiro, fala do nascer da sexualidade

Flavia Guerra, O Estado de S.Paulo

05 de fevereiro de 2014 | 20h44

Hoje Eu Quero Voltar Sozinho, primeiro longa de Daniel Ribeiro, é um dos três filmes que representam o Brasil no 64.º Festival de Berlim. O filme integra a seção Panorama, a segunda mais importante do evento, e narra com sutileza e força as experiências de um adolescente que se apaixona pela primeira vez.

Ele é Leo (Ghilherme Lobo), um garoto como todos os outros de sua idade, que leva uma vida normal e não desgruda de sua melhor amiga Giovana (Tess Amorim). Tudo vai bem até que Gabriel, um novo estudante, entra para a escola, desequilibra a amizade entre os dois e provoca em Leo sensações que ele nunca havia experimentado.

Além de ter de aprender a lidar com o que sente por Gabriel, Leo também começa a querer lidar com o mundo de uma nova forma. Ele, que é cego, já não quer mais ser levado pelo braço para casa, quer viajar, ficar sozinho, beijar, beber. "A cegueira dele não é um problema. Mas uma condição para falar da descoberta da sexualidade. Ela vem de dentro ou de fora?", questiona Ribeiro. "Apesar de haver um milhão de formas de nos conectarmos com o mundo, a visão está sempre muito atrelada ao desejo. O que acontece quando se tira este sentido? A gente nasce assim? ", completa Ribeiro, que já havia tratado do tema em seu segundo curta, Eu Não Quero Voltar Sozinho (2010), que dá origem ao longa. "O curta nasceu como experiência para Hoje Eu Quero, como forma de ter um portfólio para conseguir meios para filmar o longa", conta o jovem diretor de 32 anos.

A experiência deu tão certo que Eu Não Quero Voltar Sozinho rodou festivais pelo mundo, recebeu dezenas de prêmios e caiu no YouTube . O curta já foi visto por mais de 3 milhões de pessoas. "Foi um acidente. A gente tinha ganhado um prêmio que permitia que o filme fosse exibidos por 15 dias no PortaCurtas. Aí, alguém baixou e postou no YouTube", relembra o diretor, que, após diversas ‘tiradas do ar’, rendeu-se à rede e postou oficialmente o filme. "Tirávamos do ar por uma questão de participação em outros festivais, de ineditismo, mas a gente não venceu. Toda hora alguém postava de novo. Então decidimos: se era para o pessoal ver o filme na internet, que fosse no nosso próprio canal."

São estes mais de 3 milhões de espectadores que aguardam ansiosos para assistir ao longa, cuja première mundial ocorre na próxima segunda, dia 10, na Berlinale, com a presença do diretor, da produtora executiva Diana Almeida e do elenco principal.

Essa não será, no entanto, a estreia de Ribeiro em Berlim. Em 2008, foi premiado com o Urso de Cristal de Melhor Curta-Metragem (Generation 14plus) por seu primeiro curta, Café com Leite. Dois anos depois, voltou com o roteiro de Hoje Eu Quero para participar do Talent Campus (oficina que desenvolvimento de roteiros). "Agora é a prova dos nove. Finalmente vamos mostrar a história em versão longa para o público", diz Ribeiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Festival de Berlim

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.