Divulgação
Divulgação

Diretor abandona o sertão e situa na classe alta o seu filme 'Clarisse'

Longa de Petrus Cariry foi apresentado na Mostra de Tiradentes

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

28 de janeiro de 2016 | 19h22

TIRADENTES - À noite realizam-se as sessões da mostra principal (Aurora) aqui em Tiradentes. Pela manhã, ocorrem os debates. À tarde, a Mostra de Tiradentes realiza seminários. Não deixam de ser interessantes. Qual é o mercado do cinema de autor, como é o da Aurora? Os festivais, nacionais e – os mais cobiçados – internacionais. Tiradentes traz representantes dos maiores festivais do mundo. Selecionador da seção Quinzena dos Realizadores, de Cannes, Paolo Trotta encantou-se com os filmes e a participação do público jovem. Em breve saberemos se Cannes morderá a isca de Tiradentes.

Filho de cineasta – Rosemberg Cariry –, Petrus já é autor de uma obra que se consolida cada vez mais. A representação do sertão difere de O Grão para Mãe e Filha. Ambos os filmes compõem uma trilogia sobre a morte com Clarisse ou Alguma Coisa Sobre Nós Dois, que integra a mostra Transições. O filme difere dos anteriores do diretor, até por abandonar o sertão e situar-se na classe alta. Petrus flerta com o cinema de gênero, e com o terror. Seu filme começa e termina com cenas de sexo. Entre elas, a personagem de Sabrina Greve revisita a casa da infância. Faz descobertas que provocam uma ruptura radical. A dúvida que fica é se, no desfecho, ela se liberta ou assume um comportamento autoritário ‘de classe’.

Taego Ãwa, de Henrique Borela e Marcela Borela, foi o segundo filme de índios da Mostra Aurora. Outro documentário – não uma busca do tempo perdido (como Índios Zoró

Antes, Hoje e Agora?, exibido na segunda, 25), mas uma viagem pela experiência brutal dos ãwas, os índios tupis que mais resistiram à dominação branca no Brasil Central e que ainda lutam pela demarcação de suas terras. O filme tem cenas ótimas que se inscrevem no tema da mostra – espaços em conflito. Os remanescentes em choque com a própria tradição. Duas delas são exemplares – quando os índios se pintam, e só o patriarca mantém esse segredo, e a caçada ao cervo. Também positivo é o fato de que, quando os ãwas falam, são traduzidos. Não estão ali só para expressar as angústias dos autores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.