Mostra de SP
Mostra de SP

Dicas da 41.ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo; 20/10 a 23/10

Edição de 2017 chega a seu primeiro fim de semana

Luiz Zanin Oricchio, O Estado de S. Paulo

20 Outubro 2017 | 11h50

Indicações para o primeiro fim de semana da 41.ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (de 20/10 a 23/10).

Sexta, 20/10/2017

Três Anúncios para um Crime (EUA). De Martin Macdonagh. Mulher coloca três cartazes denunciando a impunidade do assassino de sua filha. Imersão nos Estados Unidos profundo, com seu ranço de racismo, violência e intolerância. Interpretações marcantes de Frances Macdormand e Woody Harrelson. 22h30, Cinesesc.

O Vendedor de Orquídeas (Venezuela). De Lorenzo Vigas. O diretor vencedor do Festival de Veneza (com De Longe te Observo) filma agora seu pai, o grande artista plástico venezuelano Oswaldo Vigas. Um documentário íntimo e comovente, registro de família e de uma época. 15h, CCSP.

Human Flow. (Alemanha). Filmado em 23 países, esta longa produção (2h20) trata das mazelas do mundo através de refugidos por diversas causas - guerra, fome, perseguição, intolerância. Weiwei é um dos homenageados da Mostra com o Troféu Humanidade. 17h50, Espaço Itaú Frei Caneca

Arabia. Brasil. De Affonso Uchôa e João Dumans. Vencedor do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro, este longa mostra a vida de um trabalhador que perambula por Minas de emprego em emprego. O destaque fundamental é para a atenção à sua subjetividade, explicitada numa narração em off a partir do seu diário. 21h, Espaço Itaú Frei Caneca

Sábado, 21

Não Devore meu Coração. Brasil. De Felipe Bragança. Drama na fronteira entre Brasil e Paraguai com a história de dois irmãos, um adolescente, apaixonado por uma menina indígena, e outro (Cauã Reymond), membro de uma violenta gangue de motoqueiros. 21h50, Cinearte 1

A Cordilheira (Argentina). De Santiago Mitre, com o superstars latino Ricardo Darín fazendo o papel de um presidente da república convidado para uma cúpula num hotel andino, onde coisas estranhas acontecem. 19h30, Cinesesc.

O Dia Depois. (Coreia). De Hong Sung-soo. Em preto-e-branco, o diretor coreano desenvolve sua estética intimista, com a história de um editor casado e suas aventuras extraconjugais. Lindo e sensível filme. 21h15, Playarte Marabá.

Domingo, 22

O Jovem Karl Marx. (França). De Raoul Peck. O futuro escritor de O Capital é mostrado aos 26 quando parte para o exílio com sua mulher, Jenny, e conhece aquele que viria a ser seu parceiro de ideias e de obras, o alemão Friedrich Engels. 21h50, Cinearte.

Visages Villages (França). Filme mais recente da grande diretora Agnés Varda, homenageada da Mostra. Ela parte para o interior da França em companhia do fotógrafo JR para registrarem imagens e rostos. 17h30, Espaço Itaú Frei Caneca.

Bio. (Brasil). De Carlos Gerbase. O gaúcho Gerbase é um diretor criativo, sempre em busca de formas narrativas diferentes. Nesta biografia fake, ele traça o perfil de um personagem fascinante, que só é “visto” através dos depoimentos daqueles que o conheceram. 21h30, Espaço Itaú Frei Caneca.

A Fera na Selva (Brasil), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel. Trata-se de uma adaptação do romance homônimo de Henry James. Uma versão literária e literal, em que o tom teatral é acentuado por belas imagens e uma interpretação inspirada de Betti & Giardini. 17h30, Espaço Itaú Frei Caneca.

Segunda, 23

Abaixo a Gravidade (Brasil). De Edgard Navarro. O diretor baiano diz que este é seu último longa, mas todo mundo torce para que não seja, pois é muito bom. O paraibano Everaldo Pontes faz o morador de um lugarejo que vai a Salvador em busca de tratamento de saúde e encontra-se com vários personagens, misteriosos e encantadores. Poucas vezes a atmosfera mágica de Salvador foi captada com tanta inspiração. 21h20, Caixa Belas Artes.

Todos os Paulos do Mundo. Brasil. De Gustavo de Oliveira e Rodrigo Ribeiro. Uma justa homenagem a Paulo José, que está completando 80 anos de idade e, em sua trajetória artística, marcou o cinema, o teatro e a TV do país. 19h15, Espaço Itaú Augusta.

Gabriel e a Montanha. Brasil. De Fillipe Barbosa. O mesmo autor do ótimo Casagrande vem agora com filme igualmente inspirado. Refaz a vida do seu amigo Gabriel, um fascinante aventureiro, apaixonado pela África e por desafios arriscados. 21h15, Espaço Itaú Frei Caneca.

Construindo Pontes (Brasil). De Heloísa Passos. A diretora reencontra seu pai, que foi um importante engenheiro civil na época da ditadura e tenta resolver algumas desavenças políticas entre eles. Constroi o filme em tom intimista, mas revela toda uma mentalidade de duas época, passado e presente, através da discórdia de opiniões entre pai e filha. 17h30, Espaço Itaú Frei Caneca.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.