DiCaprio mostra documentários e defende Scorsese em Roma

O ator Leonardo DiCaprio, que participa nestes dias do Festival de Cinema de Roma, apresentou hoje dois documentários, "The Global Warming" e "Water Planet", produzidos por ele e que falam da deterioração do meio ambiente.A apresentação foi feita no teatro Tor Bella Monaca, situado em um bairro da periferia, em sintonia com o objetivo do prefeito de Roma, Walter Veltroni, de fazer do festival uma "festa" com a participação de toda a cidade.DiCaprio, que está promovendo na Europa o filme "Os Infiltrados", do diretor Martin Scorsese, prometeu que no futuro fará seu próprio filme sobre o meio ambiente.Comentou também que acaba de terminar documentário "The 11th Hour", produzido por ele e no qual também atua como narrador, que fala sobre a mesma questão da ecologia, com a qual afirma se sentir comprometido há anos.O ator foi recebido em meio a muitos aplausos, mas depois de apresentar os documentários saiu por uma porta secundária e decepcionou muitos fãs que foram vê-lo. DiCaprio defende um Oscar para Martin ScorseseLeonardo DiCaprio acha "ridículo" que o diretor de cinema Martin Scorsese ainda não tenha um Oscar e acredita que pode ganhá-lo por seu filme "Os Infiltrados", projetado hoje na Festa Internazionale di Roma - o festival de cinema da capital italiana - e do qual o ator americano é um dos protagonistas."Sou um grande defensor de Martin Scorsese", confessou em entrevista em Roma, por ocasião da promoção do filme."Acho que existe um consenso no mundo todo de que é ridículo que (Scorsese) ainda não tenha um Oscar. Que alguém como ele, que contribuiu com tantas obras-primas ao mundo do cinema, não o possua é absurdo, é como uma piada", acrescentou.Scorsese foi 19 vezes candidato a receber um Oscar, mas ainda não conseguiu.DiCaprio, que com "Os Infiltrados" filmou seu terceiro trabalho com o diretor, após "Gangues de Nova York" e "O Aviador", declara sua satisfação em trabalhar com ele."Para mim, é aprender com o grão-mestre americano de nossa época", disse após destacar a "boa dinâmica de trabalho" que há entre eles.O ator explica que sua relação com Scorsese se baseia mais sobre o que concordam que não gostam, do que sobre o que gostam."Estamos de acordo com os clichês que devem ser evitados, os filmes que não queremos imitar e os perfis que não queremos dar aos personagens", comentou.Perguntado sobre se ele também não teria as simpatias da Academia de Hollywood, DiCaprio respondeu que não se sente, em absoluto, marginalizado: "Fui candidato em duas ocasiões. Sinto-me bem por isso".No entanto, o ator afirmou que "não se pode fazer filmes" para receber o Oscar, "porque nunca se sabe como o povo vai responder ao trabalho".DiCaprio falou ainda sobre sua experiência de trabalho com Jack Nicholson em "Os Infiltrados". Ele considera Nicholson "uma força da natureza"."É alguém capaz de improvisar em qualquer momento e o ator (com quem contracena) tem que estar bem seguro em seu papel e com os pés firmes sobre o personagem que representa para ser capaz de responder", afirmou DiCaprio, admirador de Nicholson."Os Infiltrados", que em seu primeiro fim de semana de projeção nos Estados Unidos arrecadou US$ 27 milhões, foi recebido hoje no festival de Roma com aplausos pelo público que assistia à sessão para a imprensa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.