A24
A24

Depois do filme 'Parasita', 'Minari' se torna a sensação sul-coreana

Produzido nos Estados Unidos, ao contrário do premiado antecessor, filme narra história de imigrantes asiáticos em território norte-americano

Por Jill Serjeant, Reuters

17 de fevereiro de 2021 | 16h25

Um ano após a sátira sul-coreana Parasita tomar Hollywood de assalto, outro filme falado em coreano, Minari, está causando sensação durante a temporada de premiações. Mas os dois títulos não poderiam ser mais diferentes. Parasita, que fez história em 2020 ao se tornar o primeiro filme em língua estrangeira a vencer o Oscar de melhor filme, é uma sátira sombria sobre as classes e a sociedade contemporânea da Coreia do Sul. Minari, que está nos cinemas dos Estados Unidos e chega à Coreia do Sul em março, é uma história norte-americana terna e arquetípica sobre uma família de imigrantes que tenta se aprimorar criando uma fazenda no Arkansas nos anos 1980. Ao contrário de Parasita, ele foi concebido, produzido e filmado nos EUA.

Leia Também

Tudo sobre cinema

“Eles falam coreano, trata-se de uma família e há alguma cultura coreana envolvida, mas acho que este filme fala muito do que a América é. Ele contém muitas pessoas fazendo muitas coisas diferentes, muitas ocupações diferentes, e neste sentido é muito diferente de Parasita”, disse seu diretor, Lee Isaac Chung.

História profundamente pessoal, o filme se baseia em parte na vida do próprio Chung enquanto crescia no Arkansas, mas não há sátira e mal se menciona o racismo. Ao invés disso, o filme, que já recebeu diversas indicações a prêmios, inclusive no Globo de Ouro, foi acolhido amplamente por sua humanidade universal. As indicações ao Oscar ainda não foram anunciadas.

O ator coreano-norte-americano Steven Yeun, que interpreta o pai, disse que ficou aterrorizado ao aceitar o papel. “Foi assustador abordar a geração de meu pai em um nível que não é só uma caricatura, mas tentando entender sua humanidade. Isso abriu meus olhos para as maneiras pelas quais eu podia entender mal meu próprio pai e também aquela geração”, contou Yeun.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.