Dennis Hopper ganha retrospectiva na Holanda

O homem que ficou famoso como ator e diretor no filme Sem Destino tem reconhecimento também como artista. Dennis Hopper, mito de toda uma geração pelo road movie hippie de 1969, ganhou a primeira grande retrospectiva de seu trabalho artístico, desenvolvido desde a metade dos anos 50. A exposição ocupa até 16 de abril o Stedelijk Museum, uma das mais importantes instituições de arte moderna da Europa. A mostra Dennis Hopper reúne mais de 100 pinturas, fotos, filmes e esculturas. "É a coisa mais importante que já aconteceu na minha vida", disse o ator em entrevista coletiva para o lançamento da exposição na Holanda. O trabalho é em diversos estilos: do expressionismo abstrato de suas pinturas dos anos 50 a colagens e fotografias dos anos 60 e 70; de graffiti dos anos 80 a imagens de muros e paredes nos anos 90.A parte de fotografia da exposição dá pistas sobre suas influências, em imagens de artistas como Robert Rauschenberg e Andy Warhol, amigos do ator e diretor. Outras fotos, a maioria em preto-e-branco, são documentos importantes sobre a história dos anos 60 e 70, com imagens da luta pelos direitos civis, o movimento hippie, protestos contra a Guerra do Vietnã e muito mais. Os trabalhos mais recentes são fotos enormes de muros e paredes na Europa e no Norte da África. A superfície das construções interessam o ator por seus pôsteres rasgados, buracos, ferrugem e outras marcas, feitas acidentalmente ou não. Para ele, elas falam de "morte, apodrecimento e formas de indiferença". "Adoro a ironia de reproduzir a pintura por meio de uma fotografia."O interesse de Hopper por arte começou nos anos 50, paralelamente a sua carreira em Hollywood, que já dura mais de 40 anos. Ele está com 64 anos e é um colecionador importante de arte moderna. Seu estúdio/casa em Venice Beach, na Califórnia, tem trabalhos de nomes como John Cage, Christo, Ron Davis, Keith Haring, Ed Ruscha, e Jean-Michel Basquiat. Boa parte de seu acervo ele tem de manter em depósitos.Apesar do sucesso da mostra e de sua carreira de artista plástico, o ator de filmes como Apocalipse Now e Veludo Azul diz que não pretende deixar de trabalhar no cinema. "Nos últimos quatro anos trabalhei nesta retrospectiva. Fiz apenas um par de filmes para colocar algum dinheiro no bolso." Ele vai voltar a Hollywood com vários projetos: o próximo é dirigir um filme, sobre o qual ele ainda não deu detalhes.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.