Demônio arrependido é o novo herói dos cinemas

Saído do inferno, respondendo a um apelo dos nazistas, um demônio se regenera e se bandeia para o lado do bem. O argumento, no mínimo extravagante, sustenta a HQ Hellboy e inspirou o filme homônimo que estréia nesta sexta nos cinemas americanos. Segundo a imprensa americana, o filme tem sido recebido com entusiasmo nas sessões de pré-estréia.O estranho herói é criação do desenhista Mike Mignola. Foi lançado em HQ no início dos anos 90 e chega aos cinemas pelas mãos de Guillermo del Toro, o mesmo diretor de Cronos e Espinha do Diabo. Foram seis anos de negociações para que chegasse às telas, um calvário que ilustra bem o difícil jogo dos estúdios de Hollywood.Em intermináveis reuniões, Del Toro ouviu todo de tipo de sugestão. Como a de fazer do herói uma espécie de Hulk escarlate, que só se transformasse em demônio nos momentos de fúria. Ou a de dar ao herói, a exemplo de Batman, seu próprio Hellmóvel. Ou quem sabe um cachorro, também saído do inferno, e vermelho. Resistiu a todas, o que em parte explica a demora em lançá-lo na telona.A caracterização do herói também foi tema de longas discussões. Ele teria mesmo a pele vermelha? E chifres? E rabo? Com tanta maquiagem, os estúdios viam dificuldade em escalar um astro de peso como Nicolas Cage ou Vin Diesel. Ficariam irreconhecíveis. Mas o diretor tinha justamente o plano de chamar um ator de muita experiência e pouca visibilidade: Ron Perlman, que tem mais de 20 anos dedicados ao cinema e muitos trabalhos em que aparece sob pesada maquiagem, como o homem das cavernas de A Guerra do Fogo e o corcunda de O Nome da Rosa.Ator-fetiche do diretor francês Jean-Pierre Jeunet (protagonizou Ladrão de Sonhos), Ron Perlman não chega a ser conhecido do grande público, o que obviamente não ajudou na captação de recursos. Em dado momento, o ator disse a Del Toro, com quem já trabalhara anteriormente, que abria mão do papel. Mas, finalmente, a Revolution Studios topou financiar o projeto. Agora, aguarda conhecer a desenvoltura do demônio nas bilheterias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.