De Palma lamenta que EUA não tenham 'aprendido a lição'

Em 'Redacted', cineasta retrata Guerra do Iraque, 'um conflito que tem muitas semelhanças com o do Vietnã'

Carlos del Amo, da EFE,

07 de novembro de 2017 | 13h25

O cineasta Brian de Palma retrata em Redacted a realidade da Guerra do Iraque, "um conflito que tem muitas semelhanças com o do Vietnã", segundo disse à Efe, lamentando que os Estados Unidos "não aprenderam a lição" com o conflito. Redacted, filme que deu ao diretor o Leão de Prata no Festival de Veneza, denuncia os excessos dos soldados americanos no Iraque e a censura à imprensa. O roteiro se baseia em histórias reais e gira em torno do estupro de uma adolescente iraquiana por soldados, que assassinam a jovem e de toda a sua família. De Palma utilizou atores desconhecidos para mostrar a realidade dos soldados na sua relação com a população iraquiana. São os militares americanos, com suas câmeras, que rodam o filme, como num documentário caseiro. Brian de Palma se aproxima assim, segundo reconhece, "do gênero documentário". Mas, na realidade, sua intenção era "aproveitar as vantagens da era digital, gravando tudo sem grandes preparações e com baixos custos, para refletir uma história de um modo mais real", explicou. Redacted é um termo que se refere a um documento editado ou preparado para a publicação, do qual foi retirada informação pessoal, confidencial ou incômoda. "É censura, na realidade", denuncia o cineasta. Ele comenta que em nenhum momento se sentiu como um jornalista ao fazer o filme. "Os jornalistas contam as coisas de uma só maneira", disse. Para respeitar a história original que encontrou, preferiu "buscar fontes reais, tanto pessoas que vivem a Guerra do Iraque quanto as que só conhecem o conflito pela televisão". "Assim pude contar um mesmo fato de diversos pontos de vista. Além disso, uma mãe não fala da mesma forma que um jornalista. Mas, antes de tudo, o fundamental era encontrar alguém que estivesse vivendo a guerra e contasse os fatos na primeira pessoa", acrescentou. Os papéis principais ficaram nas mãos de Lawyer McCoy, Angel Salazar, Reno Flake e Farah, um grupo de atores desconhecidos. "Foi uma premissa básica para que o filme parecesse um documentário real, ganhando um maior impacto", explicou De Palma. Ele passou vários meses procurando jovens que "pudessem representar este material, tão duro, de maneira realista". O material veio "principalmente da internet, onde há muita informação de pessoas que viveram a guerra e contaram a sua história", revelou. O criador de Dália Negra (2006), Vestida para Matar (1980) e A Fogueira das Vaidades (1990) tem muito clara sua avaliação sobre a intervenção do seu país no Iraque. "Está muito ruim. Está morrendo muita gente. Acho que as tropas deveriam sair dali o mais cedo possível", opinou. Pai de dois clássicos do cinema de terror, Carrie, a Estranha (1976) e A Fúria (1978), De Palma reconhece que a forma de rodar Redacted lembra muito a de A Bruxa de Blair. Mas lembra que já nos anos 60 fazia este tipo de cinema muito real, retratando de forma documental as ruas de Nova York em Wotan's Wake (1962) e Festa de Casamento (1969). Brian de Palma já prepara um novo filme, baseado na chegada de Al Capone a Chicago e suas relações com o policial Jimmy Malone.

Tudo o que sabemos sobre:
EUABrian De Palma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.