Karen Ballard
Karen Ballard

David Oyelowo se aventura em nova paixão na direção de ‘Water Man'

Ator aprendeu o novo ofício com diretores respeitados, como Ava DuVernay e Will Gluck

Jonathan Landrum Jr., AP

13 de maio de 2021 | 10h00

LOS ANGELES - Enquanto atuava em filmes como Selma: Uma Luta Pela Igualdade e O Mordomo da Casa Branca, o ator David Oyelowo descobriu uma nova paixão: dirigir.

Oyelowo foi motivado a ficar atrás das câmeras depois de aprender diferentes nuances do ofício com diretores respeitados como Ava DuVernay e Will Gluck. Seu desejo de atuar e dirigir em um mesmo filme cresceu ainda mais depois de ver os trabalhos bem-sucedidos de seus amigos Nate Parker em O Nascimento de Uma Nação e Joel Edgerton em O Presente, assim como Mel Gibson, que ganhou um Oscar de melhor diretor por Coração Valente.

Durante anos, Oyelowo se inspirou neles para se sentir confiante o suficiente para fazer o mesmo. A estreia do ator como diretor, em The Water Man, chega aos cinemas na sexta-feira. O filme foi produzido pela Harpo Films com Oprah Winfrey atuando como produtora executiva.



Oyelowo disse que aprendeu sobre ter uma compreensão ampla do tema do filme com Ava. E que deve a Gluck o ensinamento da importância de um diretor capturar todos os elementos de um filme: figurino, fotografia, edição - assim como a atuação de cada ator.

“Eu meio que tive minha própria escola de cinema trabalhando com vários grandes diretores”, disse Oyelowo, que estrela o filme com Rosario Dawson.

"(Dirigir) veio como um subproduto da minha carreira de ator. Eu queria dirigir porque estive perto de alguns dos melhores profissionais do mundo."

The Water Man conta a história de um menino esperançoso chamado Gunner, que está tentando salvar sua mãe gravemente doente, interpretada por Rosario. O menino e seu amigo se aventuram em uma floresta remota em busca de uma figura mítica, que Gunner acredita carregar o segredo da vida eterna.

Oyelowo disse que foi atraído pelo roteiro porque a história lhe fez lembrar de seus filmes de fantasia favoritos, como os clássicos dos anos 80 Os Goonies e Gremlins.

“Esses filmes têm alguns temas mais pesados em que as crianças ainda estão envolvidas”, disse Oyelowo, que interpreta o pai de Gunner, Amos. "Este filme tem aquele tipo de tema de um jovem em risco, que eu adorava ver enquanto crescia.''

Oyelowo disse que a força condutora do filme é Gunner, interpretado por Lonnie Chavis, de 13 anos, que estrela a série dramática de sucesso da NBC This Is Us.

"É o poder do amor de sacrifício", disse Oyelowo. "Você tem um garoto que está disposto a arriscar tudo para salvar sua mãe. Você tem esse pai que está preparado para salvar seu filho. Você vê uma família que é imperfeita, mas eles têm um amor que eu acho quase perfeito. Eles definem o amor de sacrifício. Ela está doente, mas não pensa em si mesma. Ela está pensando sobre a relação entre seu filho e marido."

 


Depois de ler o roteiro, Rosario disse que se identificou com o personagem de Gunner, que tem de enfrentar a mortalidade de seus pais assim como ela. O ator disse que ela soube que seu pai havia sido diagnosticado com câncer de pâncreas logo depois de ela conseguir o papel de Mary, que está lutando contra a leucemia no filme.

Rosario disse que passou por momentos difíceis durante as filmagens, já que lidava com a saúde de seu pai. Mas afirmou que seu papel lhe deu a oportunidade de canalizar tudo o que estava acontecendo na vida real para ajudar a entregar uma história com a qual outras pessoas pudessem se identificar.

"Eu tive que fazer brotar uma força que simplesmente não estava lá," disse Rosario. Como seu pai estava iniciando um tratamento de quimioterapia, ela lhe enviou uma foto de seu personagem careca em solidariedade.

“Reconhecer as limitações e transformá-las em uma atuação de um jeito importante para mim para representar com dignidade”, ela continuou. "É um estado tão vulnerável de se estar quando você está doente desse jeito e realmente dependente de outras pessoas."

Rosario disse que Oyelowo - cujo falecido pai lutou contra o câncer - a ajudou ao longo do trabalho. Ela disse que ele facilitou as coisas para ela e para o resto da equipe, chamando-o de ator e contador de histórias perfeito.

"Ele foi claro em relação a sua visão e seu tom", disse ela. “Não tínhamos muito tempo no mundo, mas ainda parecia que tínhamos. Ele realmente nos permitiu brincar e encontrar nossos momentos, encontrar nossas pausas e nossas explosões de energia. Ele é um ator que entende outros atores."

Chavis disse que Oyelowo o ajudou a entrar no estado emocional de Gunner. “Houve uma cena em que tive que escalar um grande tronco e estava com muito medo de altura na época”, lembra Chavis. “Então, David me puxou de lado e me contou uma história pessoal sobre sua vida ... algo para explorar minha própria vida. Ele estava fazendo tudo isso pelo amor e pela paixão que tinha pelo filme." Em troca, Oyelowo disse que Rosario e Chavis o fizeram parecer um bom diretor.

Oyelowo disse que quer dirigir mais projetos, se puder conciliar isso com sua ocupada carreira de ator. Ele gosta de misturar realidade e fantasia, mas também adora contar histórias africanas.

"Eu acho que existem apenas algumas histórias incríveis que não são sequências ou remakes," disse Oyelowo. “De certa forma, elas ficaram adormecidas na África, que é berço de ótimas histórias e ótimo conteúdo. Eu realmente quero fazer parte do esforço de ver esse tipo de história sendo contada com um alcance global."


TRADUÇÃO DE ROMINA CÁCIA

Tudo o que sabemos sobre:
cinemaDavid OyelowoOprah Winfrey

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.