Suzanne Plunkett/Reuters
Suzanne Plunkett/Reuters

Daniel Day-Lewis se despede do cinema com romance sinistro 'Trama Fantasma'

Ator interpreta o exigente estilista londrino Reynolds Woodcock

Reuters

21 Dezembro 2017 | 14h32

LOS ANGELES - O diretor Paul Thomas Anderson considera seu filme Trama Fantasma um romance, mas seu astro, Daniel Day-Lewis, disse que filmá-lo o deixou tão triste que ele decidiu parar de atuar.

+++ Daniel Day-Lewis anuncia que vai se aposentar

Vencedor de três Oscars, Day-Lewis interpreta o exigente estilista londrino Reynolds Woodcock, cuja vida autocentrada é abalada quando sua musa mais recente, Alma (vivida pela novata Vicky Krieps), se apaixona por ele e a relação toma um rumo inesperado e sinistro.

+++ A ambição de um homem, na obsessão de Daniel Day-Lewis

O filme, que estreia nos cinemas norte-americanos no dia 25 de dezembro, exigiu dois anos de pesquisa e criação, no que Anderson disse ter sido um esforço conjunto com Day-Lewis.

+++ Daniel Day-Lewis interpreta Lincoln em cinebiografia dirigida por Spielberg

“Sempre foi minha intenção fazer um filme romântico. O tipo de coisas de que falamos são romances góticos clássicos como Rebecca, A Mulher Inesquecível, À Meia-Luz e Um Corpo que Cai”, disse Anderson.

Um Corpo que Cai fala de obsessão e daquela febre que te domina quando o romance surge no seu caminho... (o filme) fica bem complicado e peculiar, como o amor”, acrescentou.

Entretanto, após o final das gravações, Day-Lewis, de 60 anos, chocou o mundo do cinema ao anunciar em junho, sem explicações, que está se aposentando como ator.

Em entrevista concedida à revista W no mês passado, o único homem que ganhou três Oscars de melhor ator disse que a decisão teve relação direta com a gravação de Trama Fantasma.

“Antes de fazer o filme eu não sabia que pararia de atuar. Eu sei que Paul e eu rimos muito antes de fazermos o filme. E depois paramos de rir porque nós dois fomos tomados por uma sensação de tristeza”, disse Day-Lewis à revista.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.