Divulgação
Divulgação

Curta ‘Whiplash’ retorna a Sundance para repetir prêmio

Diretor conquista júri e público com nova versão de filme que já levara título no ano passado

O Estado de S. Paulo

27 de janeiro de 2014 | 00h57

A emocionante história de um baterista de jazz e sua obcecada busca pela perfeição em Whiplash arrebatou o júri e a crítica da 30.ª edição do Festival de Sundance, levando o grande prêmio no último fim de semana. O título é uma vitória e tanto para o jovem diretor Damien Chazelle, de 28 anos, que ganhou com uma versão menor de Whiplash na categoria melhor curta no ano passado.

“Lembro da minha primeira vez aqui com o curta, e a razão de tê-lo feito foi minha experiência como baterista. Ninguém queria financiar o filme porque, surpreendentemente, ninguém quer fazer uma obra sobre um jazzista”, divertiu-se Chazelle.

O filme foi arrematado pela Sony Pictures Classics por US$ 3 milhões e pode seguir o caminho de Inverno da Alma (2010) e Indomável Sonhadora (2012), que venceram o grande prêmio e, depois foram indicados ao Oscar.

O documentário vitorioso é Rich Hill, que explora a vida de três adolescentes, na homônima cidade rural do Missouri, que tentam superar a pobreza. Já o escolhido do público foca como a música afeta a vida de pacientes idosos que sofrem de Alzheimer, Alive Inside: A Story of Music & Memory.

O chileno Matar a un Hombre foi o escolhido pelos jurados como o melhor drama realizado fora dos EUA. O filme de Alejandro Fernández Almendras, que também assina o roteiro, explora as tensões insustentáveis que surgem entre um delinquente e seu vizinho, um trabalhador humilde e honrado, após o sequestro de seu filho. Daniel Candia, Daniel Antivilo, Alejandra Yáñez y Ariel Mateluna encabeçam o elenco do longa, uma coprodução chileno-francesa.

Os documentários estrangeiros vencedores foram Return to Homs, coprodução entre Síria e Alemanha, vencedor do prêmio do júri, e The Green Prince, da Alemanha, Israel e Reino Unido), que conquistou o do público.

O público também recompensou com o título de melhor drama internacional o etíope Difret.

Os prêmios de melhor direção foram para Cutter Hodierne, de Fishing Without Nets, e Ben Cortner e Ryan White, de The Case Against 8, nas categorias drama e documentário norte-americano, assim como Sophie Hyde (52 Tuesdays) e Iain Forysth e Jane Pollard (20.000 Days on Earth) em drama e documentário estrangeiro. O festival que começou em 16 de janeiro exibiu 121 filmes de 37 países, dos quais 35 estavam em competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.