Curta-metragem faz a festa no Rio

A partir desta sexta-feira começa a 10ª Mostra Curta Cinema, no Rio, que vai até dia 10 de dezembro. Os mais de 280 títulos apresentados dão um panorama da produção de curta-metragem nacional e internacional. Os filmes poderão ser conferidos no Centro Cultural Banco do Brasil, no Espaço Unibanco e na Estação da Carioca do Metrô, por onde passam em média 70 mil pessoas por dia.Na programação nacional, os destaques são os lançamentos de seis curtas inéditos no Rio, entre eles o novo filme de Jorge Furtado, Sanduíche. Outros, de Gustavo Spolidoro, em cartaz no Divirta-se on-line, Tropel, de Eduardo Nunes e O Branco, de Ângela Pires e Liliana Sulzbach, premiados no Festival do Rio BR deste ano, também voltam na Curta Cinema. Laís Bodansky, diretora premiada em Brasília por Bicho de Sete Cabeças, será a responsável pelo primeiro workshop de direção da mostra. Um representante de Festival de Cannes vem ao Rio para selecionar filmes brasileiros para o Cinéfondation, uma competição internacional de curtas que acontece durante o festival.A mostra, patrocinada pela Petrobrás, já é tradição no cenário cultural carioca. "Nós nos preocupamos em reconhecer tendências e questões comuns aos filmes e reuni-los na programação", explica um dos produtores do evento, Ailton Franco, que junto com seu sócio Rossine Freitas idealizaram a mostra em 1991. Assim nasceram os programas específicos, como o Panorama Internacional, que traz títulos do México, Estados Unidos, Canadá e Europa. Um sucesso das edições anteriores são os programas Nosso Mundo, com filmes de temática social, e Mundo Bizarro, com histórias insólitas e engraçadas. Para quem prefere inovações estéticas e novas propostas de narrativa, o programa Midnight Shorts é a melhor opção. Ritos de Passagem traz títulos que tratam da revelação de um novo homem e o A Vida É Assim, curtas sobre pequenos dramas cotidianos, relações familiares e amor.Na programação nacional estão os já tradicionais programas Brasil, Carioca e Outro Olhar. Além do filme de Jorge Furtado, mais sete produções cariocas serão lançadas durante o evento : Gurufim na Mangueira, com Ivo Meirelles, Célia e Rosita, com Cleyde Yáconis e Dirce Migliaccio, O Jeito Brasileiro de Ser Português, de Gustavo Melo, Berenice. de Eduardo Sanches, Mais Velho, de Primitvo Gonzalez, Rus Tropique, de Sonia Branco, e Os Desastres de Sofia, de Bruno Grieco.Graças a uma parceria desde 98 com o Festival de Cannes, a mostra traz representantes do festival francês ao Rio, o que acabar por dar maior visibilidade à produção nacional. Segundo Franco, foi assim que Ruy Guerra e Andrucha Waddington acabaram tendo seus filmes- Estorvo e Eu, Tu, Eles - selecionados para o festival. "Nós levamos o Laurent Jacob, que compunha o comitê de seleção do festival, para conhecê-los", conta Ailton, embora seus filmes não participassem da mostra por serem longas-metragens. Este ano, Christian Jeune é quem vai apresentar o programa Cinéfondation 1 e 2, que traz oito curtas exibidos em Cannes em maio, e escolher os curtas brasileiros para a edição de 2001 da mostra francesa.Para as crianças será apresentado, pelo segundo ano consecutivo, dois programas infantis com exibições sempre ao sábados e domingos, às 14h, no CCBB. Não faltarão os filmes premiados nos festivais internacionais, no programa Premiados, como o francês Salam, ganhador do Prêmio Especial do Júri Internacional do Festival de Clermont, e Tributo a Alfred Lepettie, ganhador do Urso de Ouro no festival de Berlim.Um destaque da mostra é a Parede de Curta. Dessa vez, será montada na Estação do Metrô da Carioca, a mais movimentada da cidade. "Achamos que o curta tem o perfil próprio para um local com um fluxo rápido de gente passando. A pessoa pára por alguns minutos e pode ver um filme todo", explica Ailton. A Parede Do Curta tem programação variada. Vai das 11h às 20h, com exibição gratuita.Outro destaque é o 4º workshop de roteiro para curta- metragem, ministrado por Rosane Svartman, roteirista e diretora de Como Ser Solteiro no Rio de Janeiro. Pela primeira vez acontece um workshop de direção e Laís Bodansky, que conquistou sete candangos no Festival de Brasília, é quem vai passar sua experiência no cinema a jovens diretores e atores previamente escolhidos pela produção do evento.O ingresso custa R$ 5,00 e o passaporte, que dá direito a toda a programação da mostra, no CCBB, R$ 8,00.A produção da mostra vai selecionar alguns títulos ainda no início de dezembro para exibição no site www.curtacinema.com.br.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.