Curta de Walter Lima Jr. abre homenagens a Farkas

Walter Lima Jr., diretor de Menino de Engenho e A Lira do Delírio, apresenta hoje, na Sala Cinemateca, às 20 horas, o curta-metragem Thomaz Farkas, Brasileiro, que ele realizou na condição de cineasta convidado do projeto Petrobrás Convida. Antes dele, o projeto contou com Nelson Pereira dos Santos (Meu Compadre Zé Ketti), Carlos Reichenbach (Equilíbrio e Graça), Arthur Omar (Hamlet no Porto) e Beto Brant (Cura Dor).O filme, que terá sua pré-estréia nacional em sessões abertas ao público, dura 15 minutos e abre as comemorações dos 80 anos do fotógrafo, cineasta e produtor húngaro-brasileiro Thomaz Farkas, que serão completados em 17 de setembro. O diretor e o homenageado estarão presentes à sessão e responderão às perguntas do público, em conversa que ambos esperam ser "o mais descontraída possível". Walter conta que sua homenagem a Thomaz se deu "em forma de retrato, um retrato do fotógrafo, do produtor e do brasileiro, que nasceu na Hungria mas corrigiu o acaso de lá ter nascido e renasceu na Bahia". Enfim, "um brasileiro chamado Thomaz Farkas".O cineasta que, como seu biografado, tem uma grande folha de serviços prestados ao documentário brasileiro, se sentiu muito à vontade ao prestar sua "singela homenagem" ao colega e diretor de Hermeto Campeão, Todomundo e Paraíso Juarez. Além de produtor dos longas Brasil Verdade (coletânea que contém os imprescindíveis Viramundo e Memória do Cangaço), Herança do Nordeste, Sítio do Pica-Pau Amarelo e Certas Palavras com Chico Buarque."Farkas é um doce sonhador de nossos documentários, pois acreditou firmemente que um dia eles chegariam às escolas e às televisões", na definição de Walter Lima. Além de colega de ofício, Walter faz questão de dizer que o personagem de seu novo curta documental é "responsável por antológica caipirinha e amigo de todas as horas". Por isso, realizou um "retrato carinhoso". "Ele merece muito mais."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.