Divulgação
Divulgação

Curta Canoa realiza sétima edição em praia paradisíaca

Festival de curtas-metragens em Canoa Quebrada, no Ceará, reúne produções do Brasil e outros países da América do Sul

Marcio Claesen, estadão.com.br

05 de dezembro de 2011 | 16h05

Pela sétima vez, Canoa Quebrada, no Ceará, se torna, por uma semana, o centro das produções no formato curta-metragem. A edição do 7º Curta Canoa - Festival Latino-Americano de Canoa Quebrada, geralmente realizada em setembro, este ano passou para dezembro e começa nesta segunda-feira 05. O evento encerra-se no próximo sábado 10.

O local, que faz parte do município de Aracati -  e está a 166 km da capital Fortaleza - é uma das praias mais famosas do Nordeste. Se durante o dia a natureza da região e o sol onipresente ajudam a fazer dele um cenário inspirador, há um cuidado por parte da direção do festival para que as noites também sejam . "A data é marcada sempre em semana de lua cheia, para que as projeções ao ar livre sejam mágicas", diz Adriano Lima, idealizador e diretor geral do Curta Canoa.

A preocupação tem fundamento: o evento é realizado ao ar livre. A região, que não conta com nenhuma sala de cinema, tem sua praça principal transformada em reduto da cinefilia. A Mostra Competitiva conta com 76 produções (19 curtas em 35 mm e 57 em vídeo) e na última noite do festival recebe o troféu Lua Estrela em várias categorias.

 

Paralelamente, a Mostra Latino-Americana de Curta, que tem caráter não-competitivo, leva à região onze produções da Argentina, Paraguai, Bolívia e Venezuela. Ainda há a Mostra do Minuto, realizada em parceria com a Faculdade Católica do Ceará, com produções de alunos, a Mostra Infantil, e as mostras locais Canoa Faz Cinema, realizada pelo Instituto Cultural de Juventude e Capacitação (ICJC) e Associação de Esportes Radicais do Aracati (AERA), e Majorlândia Faz Cinema. As mostras locais são compostas de dez curtas produzidos, respectivamente, por jovens de Canoa Quebrada e Majorlândia, sob a coordenação do cineasta Rodrigo Tasso.

O evento ainda promove oficinas de fotografia, câmera, som de animação e pensamento criativo, parte delas com aulas ministradas por professores da Faculdade Católica do Ceará. "A ideia é fazer o cinema chegar a Canoa Quebrada. Levamos cultura para a comunidade, que não tem acesso à produção de curtas-metragens", conta Lima sintetizando o objetivo do evento.

Tudo o que sabemos sobre:
Curta Canoa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.