Curta às Seis está de volta

Para alegria dos fãs de curtas-metragens, o Curta às Seis está de volta, agora com o nome de Curta Petrobras às Seis. A julgar pelo bom resultado do primeiro ano do evento, o número de fãs não é pequeno. Ao longo de 12 meses, mais de 32 mil pessoas passaram pela sala do Espaço Unibanco, que exibe os filmes gratuitamente, sempre na sessão das 18 às 19 horas. "Trabalhamos com cerca de 90% de lotação, o que superou nossas previsões e nos animou a dar continuidade ao projeto", conta Adhemar de Oliveira, diretor do Espaço Unibanco de Cinema.Com o apoio da Petrobras, o evento volta em grande estilo. Se antes estava restrito à cidade de São Paulo, agora mais quatro cidades participarão do projeto: Rio de Janeiro, Porto Alegre, Fortaleza e Juiz de Fora. Exceto São Paulo e Rio, as outras exibirão, num primeiro momento, apenas curtas realizados por diretores da região.A maioria dos freqüentadores é composta por idosos, estudantes e executivos que trabalham na região da Avenida Paulista e fazem do programa uma espécie de happy hour cultural. Segundo Oliveira, o importante foi a conquista de um novo espaço para os curtas-metragens. "Hoje, os curtas já fazem parte da rotina dos paulistanos e os diretores sabem que seu trabalho poderá ser visto por um grande público", afirma.O coordenador do projeto, Humberto Neiva, conta que no primeiro ano foram exibidos cem curtas. "A maior dificuldade foi localizar os diretores e solicitar os trabalhos para exibição, já que não há um lugar específico que os reúna." Com a entrada de novas cidades, o trabalho deverá aumentar, embora hoje o Espaço Unibanco já possua um bom cadastro de realizadores.Em São Paulo, estréiam amanhã quatro curtas-metragens, todos premiados no recente Festival Internacional de Curtas. O primeiro é Outros (14 min), do gaúcho Gustavo Spolidoro, que foi bastante aplaudido naquela ocasião e também no Festival de Gramado, a despeito de seu início um tanto escatológico. Trata-se de uma experiência original, rodada em um único plano-seqüência, no qual a câmera muda de personagem à medida que as pessoas vão se cruzando numa avenida de Porto Alegre.BMW Vermelho (20 min), dos paulistas Edu Ramos e Reinaldo Pinheiro, parte de uma premissa interessante. Um casal de moradores da periferia é sorteado num concurso de um supermercado e ganha o carro do título. Mas a classe operária não vai ao paraíso. Ao contrário, sua vida se torna um inferno. As regras do concurso não permitem que eles vendam ou emprestem o BMW por dois anos e o casal não sabe dirigir e sequer tem dinheiro para encher o tanque de combustível. Destaque para a atuação dos ótimos Otávio Augusto e Denise Weinberg. Denise já mostra o talento que ela iria revelar no segundo episódio do belíssimo Quase Nada, de Sérgio Resende, atualmente em cartaz.Passadouro (8 min) é um documentário sem diálogos que mostra como a televisão (via parabólica) muda a vida de moradores de um minúsculo e atrasado vilarejo do sertão nordestino. Completa o pacote Os Outros (15 min), filme de estréia do carioca Fernando Mozart, uma ficção científica que recebeu prêmio do júri popular no último Festival do Ceará. Pesquisador marciano explica ao chefe o significado da música Coisinha do Pai, de Beth Carvalho, usada pela Nasa para ativar a sonda Sojouner, que andou pela superfície do planeta vermelho.Curta Petrobras às Seis - Diariamente, às 18 horas. Grátis. Espaço Unibanco 4. Rua Augusta, 1.470, tel. 287-5590. Patrocínio: Petrobras e Lei de Incentivo à Cultura.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2000 | 18h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.