Críticos premiam Michael Moore em Cannes

O documentário Fahrenheit 9/11, de Michael Moore, mesmo diretor de Tiros em Columbine, que ganhou o Oscar de 2003, e os longas-metragens de ficção Whisky, do Uruguai, e Atash, uma produção israelo-palestina foram premiados hoje no 57.º Festival de Cinema de Cannes pela Federação Internacional de Críticos de Cinema. O filme de Michael Moore, que faz duras críticas ao presidente norte-americano George W. Bush, foi escolhido pela entidade como o melhor filme da mostra oficial de Cannes. O filme Whisky, dos uruguaios Juan PabloRebella e Pablo Stoll, um drama comovente que trata da solidão, foi premiado pela originalidade de sua linguagem cinematográfica na mostra Um Certo Olhar. Já o filme Atash, de Tawfik Abu Wael, foi escolhido entre os filme de ficção e curtas exibidos na sessão paralela Semana da Crítica. O júri do prêmio dos críticos foi presidido por David Robinson, do jornal britânico Daily Express.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.