Divulgação
Divulgação

Crítico da revista 'Teorema' seduz com as belas qualidades de seu longa 'Nós Duas Descendo a Escada'

Longa é assumidamente um filme de crítico

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

09 de setembro de 2016 | 19h36

Filho de crítico – Enéas de Souza, que assina o texto sobre Limite, de Mário Peixoto, no livro Os 100 Melhores Filmes Brasileiros (leia acima) –, Fabiano de Souza é crítico, professor e cineasta. Com o pai, compartilha textos na revista Teorema. E foi adiante de Enéas, ao virar diretor. Há 50 e tantos anos, os críticos da nouvelle vague fizeram essa passagem – François Truffaut, Jean-Luc Godard, Eric Rohmer. Fabiano de Souza é cria desses caras. Romântico, desconfia do romantismo, como Truffaut. Cinéfilo, destila preferências e referências, como Godard. E como Rohmer desenvolve um modelo de cinema barato, feito com equipe reduzida – tanto atores como técnicos.

Todo esse parágrafo é para apresentar Fabiano de Souza para quem não viu A Última Estrada da Praia em 2011 ou não conhece seus textos da Teorema. Fabiano dirige Duas Descendo a Escada, que estreou na quinta, 8. Mesmo com risco de simplificação, o filme tem uma pegada de Azul É a Cor Mais Quente. Seria – é – A Vida de Adèle gaúcho. Narra uma história de amor entre mulheres, Adri e Mona. A primeira é uma jovem com a cabeça cheia de sonhos. Projeta-os na persona forte da segunda. A partir daí, o fantasma de Adri é a solidão – o estar longe de Mona. Fabiano de Souza não é Abedallatif Kechiche, Miriã Possani não é Adèle Axarchopoulos, Carina Dias não é Léa Seydoux. O filme é brasileiro, e gaúcho. Não tem a França e sua cultura por trás. O sul-coreano Hong Sang-soo é a prova de que se pode fazer cinema francês, no embalo da nova onda, na distante Ásia. Por que não no Rio Grande do Sul?

Talvez, se alguém quiser buscar o defeito de Duas Descendo a Escada, seja o fato de ser, tão assumidamente, um filme de crítico. Isso o transforma num biscoito fino, como eram os filmes de Rohmer, como são os de Sang-soo. Kechiche é mais visceral, põe na tela sua condição de autor magrebino – e todo mundo sabe como os descendentes de africanos tendem a ser excluídos na França que convive mal com seu passado colonial. Tem gente que diz, meio brincando meio verdade, que o Rio Grande é outro país encravado no Brasil. No Rio Grande historicamente positivista, a França sempre foi uma espécie de farol, como sabem os leitores de Erico Verissimo e sua saga monumental, O Tempo e o Vento.

Existem ecos de Godard, citações de Carlos Reichenbach e até de Michael Curtiz – o clássico romântico Casablanca. Distante do cinema experimental celebrado na Mostra de Tiradentes, se Fabiano dialoga com a produção brasileira recente é com um filme que foi feito simultaneamente com o dele, Amores Urbanos, de Vera Egito, e portanto não se pode dizer que um copiou o outro. É um cinema contemporâneo, urbano. O título? Tem a ver com Marcel Duchamps, Nu Descendo a Escada, clássico modernista (uma contradição em termos) que capta o movimento por meio de formas abstratas. Fabiano de Souza não deixa de estar construindo, em Porto Alegre, uma nova vanguarda do cinema brasileiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.