Crítica questiona regras do Oscar de melhor filme estrangeiro

Academia autoriza cada país a indicar apenas um filme, que o país escolhe segundo suas próprias normas

REUTERS

07 de novembro de 2012 | 13h00

Alguns dos filmes mais prestigiosos de 2007 falados em língua estrangeira, ou seja, não inglesa, não concorrerão ao Oscar em 2008.   Imprensa dos EUA começa a especular sobre indicados ao Oscar Lust, Caution, de Ang Lee, uma história de romance e traição durante a ocupação japonesa de Xangai nos anos 1940, foi desqualificado pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, apesar de ter sido submetido como candidato oficial de Taiwan. A Academia julgou que não ficou comprovado que "talentos criativos de Taiwan exerceram controle artístico sobre o filme", obrigando Taiwan a substitui-lo por Island Etude. Outro candidato ao Oscar, O Escafandro e a Borboleta, falado em francês, de Julian Schnabel -que ganhou o prêmio de direção de Cannes pelo filme - não vai competir porque a França optou por enviar em seu lugar o desenho animado Persepolis. A Academia autoriza cada país a indicar apenas um filme, que o país escolhe segundo suas próprias normas.Outro filme com boas chances, The Band's Visit, sobre uma banda de metais egípcia que se perde durante visita a Israel, foi excluído após ter sido enviado por Israel, já que há trechos demais em inglês (Israel enviou Beaufort no lugar). Ao excluir filmes como esses, a Academia cria uma polêmica com as regras para a categoria do Oscar de filme estrangeiro. Muitos consideram que as regras deveriam ser revistas. Outros filmes têm o consolo de saber que, mesmo que não possam competir pelo Oscar, estiveram entre os filmes em língua estrangeira mais elogiados do ano. Entre eles estão Diários de Motocicleta (2004), de Walter Salles, uma co-produção internacional que não chegou a ser proposta para o Oscar por nenhum país, e Fale com Ela (2002), de Pedro Almodóvar, que não foi escolhido como candidato oficial da Espanha. Essa última omissão foi especialmente gritante porque Almodóvar ganhou o Oscar de melhor roteiro original pelo filme. A Academia vem fazendo esforços para aplacar os críticos, abrandando algumas das restrições. No passado, um filme não podia competir a não ser que fosse falado no idioma principal de seu país, o que excluiu filmes como The Warrior (2001), de produção britânica mas falado em hindi, por não ter sido filmado numa língua nativa da Inglaterra, e o candidato austríaco Caché - Escondido (2005), dirigido por um austríaco mas falado em francês. Essa regra foi modificada, e agora qualquer língua estrangeira é aceitável - o que significa que um filme como Water (2005) poderia ser enviado como candidato pelo Canadá, apesar de ter sido falado em hindi.   Por Stephen Galloway, do Hollywood Reporter

Tudo o que sabemos sobre:
FILMEOSCARESTRANGEIRO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.