Guillaume Horcajuelo/EFE
Guillaume Horcajuelo/EFE

Crítica internacional se curva a Almodóvar

Filme vira favorito da depois de indecisão sobre Terrence Malick e declarações de Lars Von Trier

EFE,

20 de maio de 2011 | 11h11

Cannes (França)- Graças às excelentes críticas internacionais, A Pele que Habito, de Pedro Almodóvar, está entre os favoritos para receber a Palma de Ouro, depois das vaias a Malick e da declaração de Trier como 'persona non grata' no festival.

 

Os aplausos foram moderados e os risos durante a projeção em momentos dramáticos mostravam que a impressão não era unânime, mas alguns meios de comunicação internacionais já apontam que esta 64ª edição pode ser, finalmente, a de Pedro Almodóvar.

 

Veja também:

documento 'O corpo me pedia para arriscar'

mais imagens Veja galeria de fotos do festival 

blog Mais sobre Cannes no blog do Merten

O Daily Telegraph diz que o novo filme do diretor: "É o trabalho de um mestre no mais alto de sua arte", enquanto a revista americana especializada em cinema Hollywood Reporter também se manifestou encantada com face mais lúgubre do outrora luminoso Almodóvar.

 

"Só alguém com tanto talento como Almodóvar poderia ter misturado esses elementos sem arruinar o filme (...) ninguém como ele é capaz de ajustar o imaginário às emoções".

 

Peter Bradshaw, crítico do The Guardian, dá ao filme quatro estrelas - de um máximo de cinco - e diz que "apresenta algo hipnótico à cirurgia pornô ascética de seu teatro cirúrgico da crueldade: o látex, o aço frio e a carne. É retorcido e insano e sua coreografia da autopossessão é magnífica".

 

Almodóvar também foi recebido com honras em sua segunda casa, a França. O Le Monde descreve A Pele que Habito como "a deslumbrante experiência do dr. Almodóvar". Embora a publicação reconheça o desconcerto pelos riscos nem sempre bem ordenados, "a maestria do diretor encoraja o espectador a reconsiderar o filme não como uma história, mas como um estranho e magnífico objeto visto pela primeira vez após tirar as vendas".

 

Já o Le Figaro é menos entusiasta e classifica o cineasta como "um Almodóvar menor" e, embora destaque a interpretação de Elena Anaya e o aspecto visual do filme, considera que tem "um roteiro totalmente confuso", que não é "habitado" pelo gênio espanhol.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.