Diamond Films
Diamond Films

Crítica: Filme de terror ‘Hereditário’ não é tão assustador assim

O que, no limite, salva o longa e garante o mínimo de interesse é o elenco, com a sempre ótima Toni Collette

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

27 Junho 2018 | 06h00

Cinéfilo de carteirinha sabe que a Academia de Hollywood resiste aos filmes de gênero se não forem western ou musical. Este ano, um jovem negro, Jordan Peele, fez história ao vencer o Oscar com Corra!. Venceu melhor roteiro original, mas, apesar do seu inegável interesse e importância, há controvérsia se Corra! é tão bom assim. 

Surgiu agora o que talvez seja o Get Out! deste ano. Desde que fez sensação no Sundance Festival, em janeiro, Hereditário, de Ari Aster – que está em cartaz nos cinemas –, tem dado o que falar.

O novo melhor terror, o mais assustador – você já deve ter lido, ou ouvido isso. É exagero. Aster é jovem, como Jordan Peele, e seu passaporte para o longa foi uma média-metragem, The Strange Thing About the Johnsons, que focava o abuso do ângulo familiar.

Talvez seja necessário advertir que esse texto contém informações essenciais. Olha o spoiler.

Aster retorna ao tema da família, e até ao abuso.

De cara morre a vovó, o que desestabiliza mamãe – a sempre ótima atriz Toni Collette. Coisas estranhas começam a ocorrer na casa e, ao tema da casa assombrada, Ari Aster superpõe a influência das seitas. 

O que Toni descobre – e isso através de sucessivas perdas familiares – é que está sendo buscado um sucessor para o culto a Paimon, um dos reis do inferno. Tem de ser um homem. Toni tenta proteger sua família – os filhos –, mas o morticínio é inevitável.

Aster busca certa consistência para o descontrole emocional de Toni – a presença da médium, a invocação dos mortos, a descoberta do destino sinistro que a matriarca reservou para seus descendentes. 

Mas logo os efeitos atropelam a lógica – por que um homem para suceder a matriarca nesse momento de empoderamento? O que, no limite, salva Hereditário e garante o mínimo de interesse ao filme é o elenco, com destaque também para a menina Milly Shapiro e Alex Wolff, da nova versão de Jumanji: Bem-Vindos à Selva

Toni Collette faz uma maqueteira. Constrói casas em miniatura, e o diretor joga com a questão da escala – que Stanley Kubrick também fazia em O Iluminado, mas seria absurdo comparar os dois. O Kubrick, sim, era – e continua sendo – assustador.

Mais conteúdo sobre:
Jordan Peelecinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.