Crítica: debaixo do dilúvio, Oasis soa ainda melhor

I lost my faith in the summer time ´Cos it don?t stop raining The sky all day is as black as night But I?m not complaining ("Perdi minha fé no verão Porque não pára de chover O céu o dia todo está preto como a noite Mas não estou reclamando") A letra de The Importante of Being Idle, nova música da banda inglesa Oasis (a sexta do roteiro), parecia soar profética naquele aguaceiro que caiu na noite de anteontem no Estacionamento do Credicard Hall, na Zona Sul de São Paulo. "Chove como em Manchester, hã?", disse Liam Gallagher, com seu acento cockney terrível, insolente pela própria natureza. Para quem estava abrigado debaixo de um balão promocional de uma companhia telefônica, a voz de Liam pareceu ainda mais impressionante debaixo d?água. Um rugido, um grito rascante, uma espécie de John Lennon com areia na língua berrando para 15 mil fãs encharcados e felizes (deviam ser muitos menos ao final, porque muita gente não agüentou o dilúvio). Fãs cuja maioria não parecia ter mais do que 16 anos, o que mostra que o Oasis soube renovar seu apelo teen. Os britânicos mostraram, em seu único show em São Paulo, 12 anos depois de ter surgido como a nova esperança branca do rock branco inglês, que está soando melhor do que nunca. A qualidade do som não era tão espetacular, detalhe agravado pelo ronco intermitente da chuva, mas ainda assim foi impossível não concordar que os irmãos Gallagher são um desses fenômenos que ocorrem no rock só muito raramente. O cenário parecia o de um rendez-vous de cidade do interior: fundão roxo, luzes como aquelas de espelho de camarim emoldurando os instrumentos. "O show do Oasis não tem efeitos pirotécnicos", adverte o contrato firmado com a produção do show. No máximo, fumaça, admitem no texto. Comparado com a suntuosidade de Stones e U2, eles são muito mais rock (isso não é uma comparação)Eles foram profissionalíssimos. Entraram pontualmente às 22 horas, com o intro eletrônico de Fuckin?in the Bushes, do álbum Standing on the Shoulder of Giants. Liam ficou em pé na frente do palco, segurando o pandeiro com os dentes. Os versos pareciam insuflar a revolução no meio dos garotos comportados da platéia. "Kids are runnin? around naked fuckin? in the bushes" (Garotos estão correndo pelados e transando nos arbustos). Ignorando a água, tocaram tudo que estava programado e Liam até aplaudiu a coragem do público, que não arredava pé da pista. Que maravilha ouvir Masterplan comendo pizza molhada! Que bizarro ouvir Live Forever ouvindo o barulho da água comprimida pelos pés dentro dos tênis! A temporada de rock?n?roll tem sido pródiga, e mesmo na noite imperfeita de quarta-feira, o Oasis manteve o nível - só o nível do Rio Pinheiros é que subiu. Lá fora, no canteiro entre as pistas da Marginal Pinheiros, mais de uma centena de fãs sem ingresso assistiam ao show dos ídolos. Aqueles lá, definitivamente, sabem o que é colocar suas vidas nas mãos de uma banda de rock?n?roll. Moptop - Os garotos cariocas do Moptop, que abriram a noite, têm jeito para a coisa. Só um problema: são demasiadamente dependentes dos Strokes (até o guitarrista parece uma cópia do Albert Hammond Jr.). Tudo bem: o Arctic Monkeys é decalcado do Libertines, que por sua vez é decalcado do Clash. O Moptop pelo menos tem coragem de cantar em português.RepertórioTurn up the Sun Lyla Bring it on Down What?s the Story (Morning Glory) Cigarettes & Alcohol The Importance of being Idle Masterplan Songbird A bell will ring Acquiesce Live Forever Mucky Fingers Wonderwall Champagne Supernova Rock?n?roll Star Guess God Thinks I?m Abel The meaning of soul Don?t Look back in Anger My Generation

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.