AFP / Frederic J. Brown
AFP / Frederic J. Brown

Criador de 'Power Rangers' critica Trump ao inaugurar estrela em Hollywood

"Meu coração está despedaçado pela separação de famílias. É uma coisa muito triste, não é o que somos como americanos", disse Haim Saban

AFP

23 Março 2017 | 10h03

O magnata do entretenimento Haim Saban, criador do império Power Rangers, atacou a política migratória do presidente Donald Trump durante a cerimônia em que recebeu uma estrela na calçada da fama de Hollywood.

"Meu coração está despedaçado pela separação de famílias. É uma coisa muito triste, não é o que somos como americanos", disse à AFP o americano-israelense de 62 anos, que converteu a franquia de super-heróis em um dos desenhos de maior sucesso de todos os tempos.

Saban nasceu em Alexandria, no Egito, e aos 12 anos se mudou para Israel, onde estudou na escola de agricultura, serviu nas Forças Armadas e criou uma empresa de turismo.

Se mudou para a França em 1975 para começar sua carreira na imprensa e no fim dos anos 1980 foi para Los Angeles, onde fundou a Saban Entertainment, uma produtora e distribuidora de programas de televisão.

"Power Rangers" estreou em 1993 e dois anos depois, após a fusão com a Fox Kids, o programa teve uma distribuição mais global.

Quando a Disney comprou a Fox Family em 2001, Saban ganhou 1,7 bilhão de dólares, com os quais abriu a Saban Capital Group, uma corretora especializada em entretenimento.

Na segunda-feira, a revista Forbes classificou Saban como o 660º homem mais rico do mundo, com uma fortuna estimada em três bilhões de dólares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.