'Crepúsculo' introduz vampiros para universo adolescente

Dirigido por Catherine Hardwicke, filme mostra amor impossível entre a humana Bella e o vampiro Edward

Reuters,

08 de dezembro de 2018 | 12h52

Vampiros são personagens extremamente ambíguos no cinema e na literatura. Do conde Drácula inventado pelo escritor Bram Stoker a Lestat, personagem dos livros de Anne Rice, essas criaturas seduzem e causam medo. Crepúsculo, baseado no primeiro livro de uma série de sucesso, acrescenta mais um capítulo sobre os mortos-vivos no cinema.     Veja também: Trailer de 'Crepúsculo'  O longa, que estréia em cópias dubladas e legendadas, é um dos mais aguardados, em especial por uma legião de fãs dos romances de Stephenie Meyer, cuja obra parece Anne Rice para adolescentes. O primeiro romance chega como prólogo para a adaptação dos outros três livros. Dirigido por Catherine Hardwicke (Os Reis de Dogtown), Crepúsculo mostra o amor impossível entre a humana Isabella "Bella" Swan (Kristen Stewart, de Na Natureza Selvagem) e o vampiro Edward Collen (Robert Pattinson, que se tornou o galã juvenil do momento). Ao entrar numa escola em sua nova cidade, Bella sente-se deslocada e praticamente não tem amigos. O mesmo acontece com Edward e seus irmãos, que são todos pálidos e não se misturam com os outros jovens. Uma série de incidentes aproxima a moça e o vampiro, apesar de uma hostilidade inicial. Os vampiros de Crepúsculo são diferentes daquele tipo que Bram Stoker tornou famoso. Aqui, apesar de pálidos e sedutores, como o conde Drácula, eles não dormem em caixões, não temem a noite, nem alho. O que move os personagens é um amor carregado de romantismo, atualmente mais raro no cinema para jovens, no qual tudo, nos últimos tempos, parece basear-se no cinismo. Se no início o que interessaria a Edward é apenas o sangue de Bella, para a garota, apaixonar-se por ele representa uma transgressão, representa mostrar que não é mesmo a garota mais sem graça da escola. No entanto, por ser voltado para um público juvenil, o amor dos personagens de Crepúsculo pouco tem de carnal. É um amor romântico mesmo, baseado em promessas de pessoas apaixonadas. Ou seja, praticamente não há sangue sujando os dentes vampirescos de Edward, ou qualquer outra forma de contato mais quente. Talvez esse seja um dos motivos que expliquem o sucesso dos livros de Stephenie (inclusive no Brasil) e do filme. Crepúsculo vai na contramão das histórias de amor que inundam os cinemas. Aqui se prega uma entrega incondicional e honesta por amor. Em sua estréia, Aos Treze (2002), a diretora mostrou que sabia lidar com as dores do crescimento, com as complicações que uma menina enfrenta ao se transformar numa moça. Aqui, no entanto, Hardwicke dificilmente consegue entrar no lado emocional de suas personagens, a ação é mais importante. (Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

Tudo o que sabemos sobre:
'Crepúsculo'estréiacinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.