Columbia Pictures
Columbia Pictures

Corrida pelo Oscar promete ser dura; veja os prós e os contras dos candidatos

Disputa do Oscar 2020 é dividida entre filmes com forte presença masculina e feminina

Kyle Buchanan, The New York Times

18 de novembro de 2019 | 10h24

Já ouviu aquela piada? O Papa Francisco, Megyn Kelly e Adolf Hitler entram num bar... Bem-vindo à corrida do Oscar 2020, uma disputa repleta de personagens excêntricos e inúmeras polêmicas.

Entre os filmes que concorrem a um lugar na lista de melhores do ano, encontram-se dramas dominados por homens como Era uma vez em... Hollywood, de Quentin Tarantino, e O Irlandês, de Martin Scorsese, bem como histórias protagonizadas por mulheres, como O Escândalo, estrelando Charlize Theron e Nicole Kidman como âncoras da Fox News, e Adoráveis Mulheres, mais uma parceria da roteirista e diretora Greta Gerwig com Saoirse Ronan, sua estrela de Lady Bird: a Hora de Voar.

Os vencedores serão conhecidos em cerimônia no dia 9 de fevereiro. Abaixo, os concorrentes mais empolgantes que já estrearam nas telas americanas.

O Escândalo

A favor: Se os membros da Academia quiserem passar uma mensagem sobre o movimento #MeToo, terão a oportunidade perfeita de fazê-lo com O Escândalo, que aborda a queda do diretor da Fox News, Roger Ailes, e o drama das mulheres do canal de notícias conservador que o acusaram de assédio. A Academia gosta de premiar filmes com relevância no mundo real, e Theron, que interpreta a âncora Megyn Kelly, e o elenco fizeram uma “turnê de conversas” após as exibições do filme, com o objetivo de encorajar a discussão de questões sociais.

Contra: Embora a Academia venha se esforçando para diversificar sua composição nos últimos anos, um filme com duas ou mais mulheres nos papéis principais não ganha o Oscar de melhor filme desde Chicago, em 2003. E será que os membros liberais da Academia realmente estarão dispostos a premiar um filme que transforma personalidades da Fox News em heroínas problemáticas?

 

The Farewell

A favor: Esta doce comédia dramática sobre uma família chinesa que esconde da avó sua doença terminal foi a grande surpresa deste verão. Awkwafina, a protagonista, de repente surgiu por toda parte depois de sua atuação estrelada em Podres de Ricos, e até Zhao Shuzhen, que interpreta tão maravilhosamente a avó, deixou sua China natal para visitar os EUA pela primeira vez e fazer campanha pelo filme.

Contra: A distribuidora A24 tem mais sorte com os indicados à melhor filme, como Moonlight: Sob a Luz do Luar, quando eles são lançados no tradicional período de estreias do outono nos EUA. Nenhum dos possíveis candidatos da empresa no ano passado conseguiu chegar até o final da corrida. Será que The Farewell consegue?

 

O Irlandês

A favor: Nenhum concorrente deste ano tem um histórico tão prolífico quanto Scorsese, que dirigiu oito indicados ao Oscar de melhor filme. O Irlandês será quase certamente o nono. Trata-se de um melancólico drama criminal, com atuações memoráveis de Robert De Niro, Al Pacino e Joe Pesci. Com grandes contribuições de técnicos que vão merecer reconhecimento em diversas categorias, o filme pode ter mais de uma dezena de indicações.

Contra: Scorsese recentemente ocupou as manchetes por sua disposição em denunciar a dominação do cinema pela Marvel, argumentando que deveria haver mais variedade e mais riscos verdadeiros nas telas. É provável que a Academia concorde com isso, mas O Irlandês é uma produção da Netflix, e muitos membros da velha guarda têm tanta desconfiança em relação a esse serviço de streaming quanto às HQs. 

 

Jojo Rabbit

A favor: A ousada comédia de Taika Waititi sobre a Segunda Guerra Mundial ganhou o prêmio do público no Festival de Toronto, o mesmo troféu que foi entregue aos vencedores do Oscar de melhor filme Green Book, 12 Anos de Escravidão e O Discurso do Rei. Jojo Rabbit se passa em uma época que o Oscar geralmente gosta de premiar, e seu senso de humor irreverente o diferencia dos demais candidatos.

Contra: Com o sentimento de extrema-direita em ascensão em todo o mundo, nem todo membro da Academia irá receber bem a história cômica de um aflito jovem nazista que tem Hitler como amigo imaginário. E, ainda que Jojo Rabbit vá ficando mais emotivo conforme se aproxima do final, as sátiras nem sempre chegam ao topo da lista do Oscar. 

 

Coringa

A favor: Coringa começou a temporada conquistando o prestigiado Leão de Ouro no Festival de Veneza, e esse estudo de uma personagem de quadrinhos já arrecadou US$ 1 bilhão em todo o mundo, número ainda mais notável por evitar as cenas de ação e espetáculo geradas por computação gráfica dos filmes do Morcego. A atuação disruptiva de Joaquin Phoenix no papel-título vem sendo vastamente elogiada na indústria, e a campanha para melhor filme sempre ganha força quando sua estrela tem boas chances de ganhar o prêmio de ator.

Contra: Embora o filme venha atraindo um grande público, não é de forma alguma palatável e pode ser barrado por membros da Academia que rejeitam sua atmosfera violenta e deprimente. E, mesmo que Coringa tenha mais a ver com filmes antigos de Scorsese, como Taxi Driver, do que com Pantera Negra da Marvel, ainda é um filme baseado em HQ, e esse tipo de filme jamais ganhou o prêmio máximo do Oscar. 

 

Adoráveis Mulheres

A favor: Primeiro grande trabalho de direção de Greta Gerwig, Lady Bird (2017) recebeu cinco indicações, mas voltou para casa de mãos vazias. Se a Academia quiser uma chance de fazer as pazes com ela, Adoráveis Mulheres é uma boa pedida e está repleto de queridinhas do Oscar, como Ronan, Laura Dern e Meryl Streep.

Contra: Embora a versão de 1933 de Adoráveis Mulheres tenha sido indicada a melhor filme, é uma história que foi contada várias vezes no cinema e na TV, e os remakes quase nunca recebem o prêmio principal do Oscar. Gerwig faz algumas mudanças estruturais ousadas em sua adaptação do romance de Louisa May Alcott, mas será que vão ser suficientes? 

 

História de um Casamento

A favor: É quase certo que o filme de Noah Baumbach sobre uma família passando por um divórcio consiga indicações para seus protagonistas, Adam Driver e Scarlett Johansson – e para Dern, como atriz coadjuvante, que rouba a cena no papel da brilhante advogada de Johansson. O roteiro inteligente e levado pelos diálogos deve ser o favorito para ficar com o Oscar de roteiro original e, embora Baumbach enfrente nessa categoria a forte concorrência de Tarantino e Bong Joon Ho (Parasita), o caminho para o prêmio de melhor filme quase sempre passa pela vitória como melhor roteiro.

Contra: História de um Casamento relembra pequenas comédias dramáticas de uma certa época, como os vencedores de melhor filme Kramer vs. Kramer e Laços de Ternura, mas hoje em dia os membros da Academia preferem as grandes histórias. É uma obra mais silenciosa e cuidadosa do que a maioria dos filmes chamativos e estrondosos que disputam o Oscar, então seus fãs precisarão fazer barulho. 

 

Era uma vez em... Hollywood 

A favor: A Academia adora filmes sobre show business, e essa é uma carta de amor aos que vivem da vida em Hollywood. Da mesma maneira como os personagens interpretados por Leonardo DiCaprio e Brad Pitt lutam para se adaptar às mudanças da indústria do cinema, os membros da Academia podem ver o voto em Hollywood, um dos poucos filmes originais a fazer bilheteria neste verão, como um baluarte contra a ascensão do streaming. Eles também podem aproveitar a chance de dar a Tarantino o Oscar de diretor e filme que ele jamais ganhou, especialmente porque ele já disse que vai se aposentar.

Contra: Nos últimos 20 anos, apenas dois filmes que estrearam no meio do ano nos EUA levaram para casa o maior prêmio do Oscar, e Hollywood terá de se reintroduzir agora para que os membros da Academia se lembrem do filme. Até o momento, essa campanha foi de um silêncio ensurdecedor. 

 

Parasita

A favor: A parábola social de Bong sobre uma família de golpistas que se infiltra em um clã rico se tornou a sensação de língua estrangeira deste ano. Depois de vencer a Palma de Ouro em Cannes, o sombrio e engraçado Parasita conquistou também o público e está no caminho de uma bilheteria mundial de mais de US $ 100 milhões. Tomando como tema a desigualdade de renda, Parasita parece falar diretamente ao momento atual, o que o ajudará a se destacar em meio a uma safra de filmes de época. Parasita ainda pode se beneficiar da presença cada vez maior de estrangeiros na Academia.

Contra: jamais um filme em língua estrangeira ganhou o Oscar de melhor filme. Embora Parasita possa se espalhar em várias categorias do Oscar, incluindo filme, diretor, roteiro, direção de arte e filme internacional, pode ser mais difícil arranjar uma indicação para o elenco. Os filmes raramente ganham o Oscar de melhor produção sem uma única indicação de ator, e os poucos que vencem tendem a ser os grandes hits da temporada, como Quem Quer Ser um Milionário e Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei.

 

Dois Papas

A favor: Este drama estrelado por Anthony Hopkins como Papa Bento XVI e Jonathan Pryce como Papa Francisco, seu cético sucessor, vem conquistando prêmios de público em festivais de todo o país. E, embora a Netflix tenha escolhido posicionar Dois Papas como um drama para o Globo de Ouro, o confronto cômico de opostos ideológicos lembra Green Book e O Discurso do Rei.

Contra: Apesar de todos os prêmios, o filme não ficou nem entre os três primeiros em Toronto. Será que Dois Papas pode se destacar em um terreno mais movimentado, especialmente quando a Netflix já apoia outros concorrentes fortes?

TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.