Robson Fernandjes/ Estadão
Sala do Espaço Itaú Augusta de Cinema Robson Fernandjes/ Estadão

Coronavírus: cinemas do Complexo Itaú passam a vender no máximo 60% da capacidade de cada sala

Medida foi tomada para evitar a propagação do vírus e atinge 57 salas distribuídas em 8 complexos

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

13 de março de 2020 | 14h31

Os cinemas do complexo Itaú passam, a partir desta sexta-feira, 13, a oferecer apenas 60% da capacidade de cada sala para venda de ingressos. E, no ato da compra, os bilheteiros foram instruídos a aconselhar o comprador a escolher lugares distantes dos já vendidos. A medida é mais uma das ações para evitar a propagação do novo coronavírus.

A marca do Itaú está em 57 salas distribuídas em 8 complexos espalhados pelo Brasil (nas cidades de Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo). Na capital paulista, são o Espaço Augusta, Arteplex Frei Caneca e o Arteplex Bourbon Pompéia, além da Cinesala.

As salas passaram a receber também um reforço na higienização diária, além de aumentar os pontos onde podem ser encontrados tubos de álcool gel: nas mesas do saguão, corredores, banheiros e bilheterias.

O Estado consultou a rede Cinemark, a maior do País (617 salas em 83 complexos distribuídos em 17 Estados e o Distrito Federal), sobre o procedimento. A resposta veio assessoria de imprensa:

“A Feneec (Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas) informa que as empresas exibidoras brasileiras estão acompanhando atentamente todos os comunicados do Ministério da Saúde e das Secretarias Estaduais de Saúde relativos à Covid-19 ou Coronavírus. As equipes de profissionais que atuam nas salas de cinema estão recebendo informações sobre como realizar a manutenção e a higiene para garantir que o ambiente esteja seguro. No momento, não há orientação do Ministério da Saúde para alterações e restrições no funcionamento das salas e as sessões estão confirmadas. Como é um quadro de mudanças constantes, seguiremos respeitando as orientações das autoridades de saúde.”

Também consultado, o Cine Petra Belas Artes encaminhou o seguinte comunicado: 

O Belas disponibilizou álcool e gel em diversos lugares do cinema, e lembretes para manter sempre a higiene. Maiores medidas serão tomadas nas proximas semanas de acordo com informações mais concretas do surto.

 


 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Lollapalooza Brasil sonda artistas para agendar novas datas em novembro

Depois de suspender edições no Chile e na Argentina, festival que seria realizado em abril estuda transferir datas por causa do novo coronavírus; casas de shows e artistas cancelam espetáculos

Guilherme Sobota, Julio Maria e Renato Vieira, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 20h04

O festival Lollapalooza, previsto para ser realizado em São Paulo nos dias 3, 4 e 5 de abril, pode ser adiado pela organização por causa da pandemia do novo coronavírus. A decisão deve seguir a determinação nas praças vizinhas Argentina e Chile, que anunciaram a transferência dos shows para o segundo semestre. A produção no Brasil não se pronunciou sobre as possíveis mudanças até o fechamento desta edição, mas o Estado apurou que artistas começaram a ser sondados para transferirem seus shows para novembro. 

No Chile e na Argentina, os shows seriam entre 27 e 29 de maio. “Estamos trabalhando para a reprogramação da edição 2020 do festival para a segunda metade do ano”, disse o comunicado a respeito dos festivais nos países vizinhos. “Diante desse fato sem precedente, nossa prioridade é preservar a saúde e segurança do público, artistas e equipe de trabalho, e acatar as medidas preventivas das autoridades públicas. Em breve, compartilharemos as datas através de nossa página oficial e nossas redes.”

Por enquanto, não existe no Brasil nenhuma orientação oficial do Ministério da Saúde para eventos com grande concentração de pessoas. O médico infectologista do Hospital Israelita Albert Einstein, Luis Fernando Aranha Camargo, contesta o efeito real de uma eventual proibição e ressalta que ir ou não é uma decisão individual. “Se pensar racionalmente, é óbvio: quanto menos gente ao redor, menos concentração, menos risco de transmissão”, aponta. “Mas se o festival ocorrer, é impossível controlar”, diz Camargo. “A pessoa pode usar uma máscara, mas aí não vai cantar?” Em situações assim, aponta, minimizar o risco de contágio é praticamente impossível.

Algumas empresas do setor já tomam decisões radicais. A revista norte-americana Billboard apurou que a Live Nation, a maior promotora de shows do mundo, já trabalha para adiar ou suspender todas as suas turnês até o fim de março, dentro e fora dos EUA. Contatada via assessoria de imprensa, a Live Nation Brasil não quis comentar.

Segundo a revista, a empresa disse aos funcionários nesta quinta que vai adiar shows e turnês de arena até o fim do mês, com algumas exceções ainda não confirmadas. Billie Eilish, Jason Aldean, Zac Brown Band, Cher, Kiss, Post Malone e Tool são alguns dos artistas com turnês que podem ser afetados nos EUA. No Brasil, um show que poderia ser afetado pela medida é do cantor de K-pop Eric Nam, marcado para o dia 25 de março, no Cine Joia, em São Paulo. Não há, porém, anúncio oficial. O show do Backstreet Boys, também trazido pela Live Nation, está confirmado para ocorrer no Allianz Parque, no próximo domingo, 15.

As casas de shows começam a ter trabalho com suas programações. O guitarrista Sammy Hagar, que faria um show no Espaço das Américas no próximo dia 22 com o projeto The Circle, foi, segundo um comunicado da casa, “irredutível” quanto ao cancelamento de seu show. O site está instruindo os fãs para a devolução de ingressos.

O Tom Brasil, por meio de seu sócio-diretor Christian Tedesco, não informou quais shows podem ser cancelados, mas disse que esta é uma grande preocupação no momento, “pois o setor de entretenimento, que emprega mais do que a indústria automobilística, não conta com nenhuma ação protetiva em situações assim”.

Outros festivais se preparam para agir. Ainda sem anunciar sua programação ou vender ingressos, o Rio Montreux Jazz Festival, festival de jazz sob a bandeira poderosa do festival suíço Montreux Jazz Festival, está previsto para fim de maio, na região do Pier Mauá, no Rio. Seu idealizador, Marco Mazzola, diz que fará com sua equipe uma reunião na próxima terça. Se não teme prejuízos? “Prejuízo está ao lado de quando você quer fazer algo contra o que está acontecendo.”

Tedesco conta que a casa está contratando profissionais adicionais para “somar à nossa brigada a fim de higienizar a casa durante os shows limpando, além de banheiros, mesas, balcões, corrimãos e maçanetas, antes e depois dos espetáculos.” 

Poder público

Em entrevista ao Estado, o secretário de Cultura Sérgio Sá Leitão diz que não há, até o momento, nenhuma determinação do governo para que os eventos públicos nos aparelhos públicos sejam cancelados. “Todos os cenários foram cogitados por uma comissão que está sendo presidida pelo doutor David Uip. Vamos seguir as determinações do governo. Mas precisamos evitar o pânico, que pode ser tão perigoso quanto a doença.” Questionado se compareceria ao show dos Backstreet Boys no domingo, ele disse que não. “Mas vou à pré-estreia do musical de Donna Summer.”

Tudo o que sabemos sobre:
epidemia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Chile segue Argentina e adia o Lollapalooza 2020

Festival seria realizado dias 25, 27 e 29, em Santiago, uma nova data está sendo estudada pela organização

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 14h24

Devido à pandemia de coronavírus e seguindo o que foi decidido pela Argentina nesta quinta, 12, o Chile também decidiu adiar sua edição 2020 do festival Lollapalooza, que seria realiado dias 25, 27 e 29 de março, em Santiago. Organização informa que está procurando nova data para a realização do festival, no segundo semestre. 

Esse deve ser o caminho de muitos outros shows organizados em diversos países, na tentativa de conter o avanço do Covid-19, que vem afetando a saúde das pessoas e travando a circulação e concentração de público em locais das apresentações.

Entre os destaques da edição do Chile, nomes como Travis Scott, Lana Del Rey, The Strokes. 

Aqui no Brasil, todos aguardam pronunciamento sobre a edição do Lollapalooza aqui no País, que está marcado para começo de abril, de 3 a 5, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Jorge Drexler troca show por live no Facebook por causa do novo coronavírus

Canto, que ganhou um Oscar em 2005, iria realizar duas apresentações na Costa Rica, mas elas foram adiadas para evitar aglomeração de pessoas

João Pedro Malar*, O Estado de S.Paulo

11 de março de 2020 | 17h14

Com o aumento dos casos de transmissão do novo coronavírus ao redor do mundo, tem crescido também o cancelamento de shows, conferências e outros eventos, para evitar a aglomeração de pessoas. O cantor Jorge Drexler, porém, encontrou um meio criativo para substituir um concerto adiado devido à pandemia: a realização de uma transmissão ao vivo no Facebook no horário do evento.

Drexler, cantor e compositor uruguaio que ganhou o Oscar de Melhor Canção Original em 2005 com Al Otro Lado Del Rio, iria realizar duas apresentações no Teatro Melico Salazar, na Costa Rica, uma na terça-feira, 10, e outra na quarta-feira, 11. Ambas foram adiadas, no dia 10, para agosto de 2020.

Como alternativa, Drexler fez uma publicação horas antes do concerto avisando aos seguidores que realizaria um vídeo ao vivo no Facebook para substituir a apresentação, e também pediu para que as pessoas fossem sugerindo, durante a live, músicas para ele tocar. A apresentação foi feita no próprio Teatro Melico Salazar no horário combinado, com uma plateia vazia ao fundo e Drexler no centro do palco.

“O que estão vendo é o Teatro Melico Salazar, na Costa Rica. A esta hora estaríamos começando um concerto, as entradas estavam vendidas há muito tempo, se esgotaram em uma hora para o show de hoje e em algumas horas para o de amanhã, mas por razões que vocês conseguem imaginar tivemos que adiar o concerto”, comentou Drexler no início da live. 

No mesmo dia em que os concertos foram adiados, já na Costa Rica, Jorge Drexler publicou no Instagram um vídeo em que mostra uma canção composta nesta terça-feira, 10, sobre os efeitos da expansão do novo coronavírus nas relações entre as pessoas. “A paranoia e o medo não são, e não serão, o modo de sairmos juntos [da pandemia]”, diz um trecho da música.

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Fama Museu de Itu adia abertura da exposição de Tarsila do Amaral por causa do coronavírus

Abertura da mostra com desenhos raros da artista seria neste sábado, 14, uma nova data será divulgada nos próximos dias

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 14h47

O Fama – Fábrica de Arte Marcos Amaro de Itu emitiu comunicado informando o adiamento da abertura da exposição com desenhos raros de Tarsila do Amaral, que seria neste sábado, 14, por causa da pandemia do coronavírus

Aqui o comunicado:

A abertura da exposição Tarsila: estudos e anotações, marcada para este sábado (14/3) no FAMA Museu, em Itu, foi adiada em função da pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus (Sars-Cov-2), conforme anunciado ontem (11/3) pela Organização Mundial de Saúde (OMS). A nova data para abertura da mostra será decidida nos próximos dias, com base nas orientações das autoridades de saúde.

Entre as 2 mil obras pertencentes ao acervo da fundação mantida pelo colecionador e galerista Marcos Amaro, figuram 203 desenhos originais da modernista Tarsila do Amaral (1886-1973) e são estar obras que integram essa exposição, que terá nova data para ser aberta.

Com 50 funcionários trabalhando no espaço cultural – uma antiga fábrica de jeans tombada pelo Patrimônio, que está sendo restaurada –, a Fama já recebe 12 mil visitantes por ano, número que tende a crescer com a futura exposição de Tarsila organizada pelas curadoras Aracy Amaral e Regina Teixeira de Barros. Essa previsão se justifica após o êxito da retrospectiva da pintora (Tarsila Popular) no Masp, que bateu recorde de visitação em 2019.

Mais conhecida como pintora, Tarsila foi também exímia desenhista, formada no ateliê do acadêmico Pedro Alexandrino (1856-1942), onde conheceu Anita Malfatti (1889-1964), de quem se tornou amiga. Alexandrino, aluno de Almeida Júnior (1850-1899), foi formado – a exemplo do amigo professor – no rigor da academia francesa, dando muito valor ao desenho, que considerava a base fundamental da boa pintura. Curiosamente, foi o projeto racional do desenho que levou Tarsila a desenvolver sua expressão cromática livre e sensual, como provam alguns esboços da futura exposição da Fama. Também com Alexandrino, lembra a curadora Regina Teixeira de Barros, Tarsila criou o hábito de carregar caderninhos de anotações e esboços, origem de muitos dos desenhos que poderão ser vistas nesta mostra, que ganhará nova data para ser realizada em Itu, cidade vizinha onde nasceu Tarsila, Capivari.

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Tarsila do Amaralcoronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Festival de Curitiba anuncia suspensão do evento por conta da pandemia de coronavírus

Organização informou que vai transferir a 29ª edição da mostra, que ocorreria entre 24 de março e 4 de abril

Leandro Nunes, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2020 | 14h33

A produção do Festival de Curitiba informou, nesta quinta, 12, que vai adiar a programação de sua mostra para evitar a disseminação do Covid-19, o novo coronavírus. A 29ª edição seria realizada de 24 de março a 5 de abril.

O evento será reagendado entre os dias 1º e 13 de setembro de 2020. 

Em nota, o comunicado justifica que "a decisão se deve à segurança e ao cuidado com a saúde do público, dos artistas e de toda a equipe de trabalho."

Os ingressos já adquiridos continuam válidos para a programação nas datas informadas.

COMUNICADO

A produção do Festival de Curitiba informa a decisão do adiamento de toda a sua programação devido à pandemia do Covid 19, o coronavírus.

A decisão se deve à segurança e ao cuidado com a saúde do público, dos artistas e de toda a equipe de trabalho.

O evento está adiado para setembro de 2020, entre os dias 1° e 13.

Os ingressos já adquiridos continuam válidos para a programação nas datas informadas.

Mais informações em breve.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.