Coppola busca a juventude em seu primeiro filme em 10 anos

O diretor Francis Ford Coppola diz que temmuito em comum com Dominic Matei, o protagonista de seuprimeiro filme em dez anos, "Youth Without Youth". Isso pode soar surpreendente, vindo do criador premiado como Oscar de "Apocalypse Now" e da trilogia "Poderoso Chefão", jáque Matei é um professor romeno de linguística, entrando naterceira idade, que sente que desperdiçou sua vida, perdeu amulher que amava e não conseguiu criar uma grande obraacadêmica. Pouco antes do início da 2a Guerra Mundial, Matei (o atorbritânico Tim Roth) é atingido por um raio e se torna jovemnovamente, tendo uma segunda chance de realizar seus sonhos. Nas notas de produção, Coppola diz que, quando leu o livroem que o filme é baseado, ele estava, como o protagonista dolivro, "começando a sentir-se no final de estrada", frustradopor não conseguir concluir o roteiro de "Megalopolis", projetosobre uma utopia, no qual vem trabalhando há anos. "Eu estava tentando me encontrar como roteirista eencontrar meu lugar na indústria do cinema, porque não queriamais ser o tipo de diretor de entretenimento que tenho sido --queria ser alguém que só faz filmes pessoais", disse Coppola,68 anos, a jornalistas após uma exibição do novo filme para aimprensa. "Quando eu era jovem, nunca esperei ter o tipo de sucessoque acompanhou 'Chefão'." "Foi apenas mais tarde, quando fiquei mais velho, quepensei: se eu vivi a vida de um diretor mais velho quando erajovem, talvez possa ter a vida de um diretor mais jovem quandosou velho -- e isso me levou ao tema do livro de MirceaEliade." O filme, que fará sua estréia no sábado no festival deRoma, é baseado num romance curto do escritor romeno MirceaEliade. REAÇÕES DIVIDIDAS Coppola financiou o filme com a renda de sua vinícola naCalifórnia e filmou na Romênia "como se eu estivesse fazendo umfilme de estudante", com elenco e equipe técnica quaseinteiramente locais e um van equipada para transportar todos osequipamentos. O resultado é uma história complexa que mistura osingredientes de um thriller de espionagem, incluindo cientistasnazistas loucos que estudam mutações genéticas, com reflexõesfilosóficas sobre o tempo, a linguagem e a reencarnação. A reação dos críticos ao filme foi dividida. Alguns acharamo filme errático e demasiado ambicioso. Mas Coppola, que depois de seus triunfos iniciais já tevesua justa parcela de fracassos, disse que o artista nunca devese preocupar com a primeira reação do público a seu trabalho. "Quando você se aventura em terreno novo, quando filma umautor como Eliade, já sabe que será algo diferente de 'Shrek','Homem Aranha' ou outros filmes que têm sucesso imediato." "Leva tempo para o público decidir se é bom ou ruim. Vocêsabe que no caso de 'Apocalypse Now', por exemplo, só agora aspessoas estão decidindo o que pensam do filme?" Indagado se cogitaria em revisitar seus clássicos dos anos1970 ou fazer um "Poderoso Chefão 4", Coppola respondeu com um"não" categórico. "Acho que qualquer remake é um desperdício de energia erecursos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.