Bernadett Szabo/Reuters - 13/10/10
Bernadett Szabo/Reuters - 13/10/10

Confirmado primeiro filme dirigido por Jolie na Bósnia

O roteiro do filme não foi ainda revelado, mas a atriz disse que o filme conta a história de amor entre um casal em meio a guerra

Efe,

03 de novembro de 2010 | 16h51

A atriz Angelina Jolie rodará definitivamente na Bósnia seu primeiro filme como diretora, ainda que pese a polêmica suscitada por alguns coletivos de mulheres que denunciaram que o argumento do filmes atentava contra os sentimentos das vítimas da guerra.

 

O roteiro do filme não foi ainda revelado, mas a atriz disse em agosto que não tem caráter político e que conta a história de amor entre um casal que se conhecia antes da guerra (1992-1995) e das dificuldades que o conflito causa a sua relação.

 

Edin Saric, um empresário cinematográfico bósnio que participa na produção, desmentiu nesta quarta-feira, 3, que tenha sido cancelada a filmagem. Jolie estará no país antes do previsto, devido a polêmica e a proibição, primeiro, e posterior permissão, depois, das autoridades em relação ao filme.

 

A própria Jolie enviou hoje uma mensagem ao público bósnio na qual expressa seu desejo de reunir-se com as mulheres que protestaram contra seu filme e afirma que não é sua intenção ofender os sentimentos dessas pessoas.

 

"Queria reforçar uma vez mais minha profunda compaixão com as Associação de 'mulheres vítimas da guerra' com as mulheres que sofreram grandes desgraças, e nunca banalizaria sobre o que aconteceu", disse Jolie em um comunicado divulgado pela Comissão da ONU para os Refugiados, da qual ela é embaixadora.

 

Jolie indicou que há numerosas informações errôneas sobre seu filme e acrescentou que sua intenção é "contar a história, situada na Bósnia-Herzegovina, com dignidade e grande respeito pela população desse país".

 

Os meios de comunicação locais indicaram hoje que dentro de dez dias chegarão a Bósnia os primeiros membros da equipe do filme para buscar os locais e continuar o filme que começou na Hungria.

 

No último outubro, a federação muçulmano-croata da Bósnia proibiu a rodagem do filme depois dos protestos de uma associação de vítimas da guerra que assegurou ter informações de que o filme tratava de uma mulher muçulmana que se apaixona por um soldado sérvio que a havia violentado.

 

Alguns dias depois de recebido o roteiro e conhecidos os locais onde se rodaria o filme, as autoridades voltaram atrás em sua proibição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.