VITRINE FILMES
VITRINE FILMES

Confira os filmes que estreiam nos cinemas nesta quinta-feira

Salas de São Paulo exibem produções dos EUA (o 'Final Cut' de 'Apocalypse Now'), da China (o emocionante 'Viver para Cantar'), da Polônia (um Kieslowski inédito!) e do Brasil (o surpreendente 'Ontem Havia Coisas Estranhas no Céu')

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2020 | 16h07

São muitas estreias nos cinemas nesta quinta, 15, exatamente sete. Filmes dos EUA (o Final Cut de Apocalypse Now), da China (o emocionante Viver para Cantar), da Polônia (um Kieslowski inédito!) e do Brasil (o surpreendente Ontem Havia Coisas Estranhas no Céu). No Belas Artes Mon Amour, voltam filmes que permaneceram anos no conjunto de salas - o argentino O Filho da Noiva, o cultuado Medos Privados em Lugares Públicos, de Alain Resnsais, e 2046, de Wong Kar-Wai. O Kinoplex reabre com um mix de reprises que inclui muito terror. o UCI traz um festival dos grandes filmes de Christopher Nolan (Dunkirk, A Origem, Batman - Cavaleiro das Trevas). E o Cinemark do Shopping Eldorado, que também investe em reprises, faz da pipoca sua grande novidade - os sabores são inspirados nas sobremesas do restaurante Outback.



 

Apocalypse Now: Final Cut


Depois do sucesso no Belas Artes Drive-in e no streaming do Petra Belas Artes, estreia o longa que Francis Ford Coppola transformou em work in progress. Apesar da Palma de Ouro de 1979 - dividida com O Tambor, de Volker Schlondorff -, Coppola nunca se deu por satisfeito com o filme que teve uma rodagem complicada nas Filipinas. Mulher do diretor, Eleanor Coppola fez um making of transformado em documentário - O Apocalypse de Um Cineasta - para mostrar como Francis Ford esteve a ponto de perder a cabeça. Em Apocalypse Now Redux e, agora, Final Cut, ele acrescentou cenas, mas principalmente alcançou o ritmo que queria para a sua ópera de guerra. Martin Sheen é enviado ao Sudeste Asiático para matar Marlon Brando - o Coronel Kurtz - que enlouqueceu e está cometendo barbaridades no Camboja. Grandes cenas e uma crítica feroz - quando os EUA perderam, mais que a inocência, a moralidade no Vietnã. Como a alta tecnologia de uma superpotência foi derrotada pela guerrilha. Um filme grandioso que permanece - para sempre - com o espectador.

 

  • No Petra Belas Artes

 


 

Instinto


Representante da Holanda no Oscar 2020 - não ficou entre os cinco finalistas -, o filme assinala a estreias da atriz Halina Raijn na direção. Complexo e perturbador, conta a história de psicóloga que trata paciente detento num instituto de ressocialização. Ele, Marwan Kenzari, foi condenado por estupro, mas não se assume como violador de mulheres. Ela, Carice Von Houten, envolve-se com o cara numa relação tortuosa. O que é esse desejo, e por que?

 

  • No Petra Belas Artes

 


 

Macabro


Produtor de Tropa de Elite (1 e 2), Marcos Prado tem a própria carreira de diretor, que incrementa com essa reconstituição da caçada a dois irmãos acusados de assassinatos em série na Serra dos Órgãos, no Estado do Rio, nos anos 1990. A história é real, mas o personagem do policial, interpretado por Renato Goes, é ficção. O filme já estreou no Belas Artes Drive-in e agora chega às salas.

 

  • No Petra Belas Artes

 


 

Ontem Havia Coisas Estranhas no Céu


O diretor de fotografia Bruno Risas faz uma bela estreia na direção. O filme esteve em festivais do Brasil (a Mostra Aurora de Tiradentes) e do exterior (Turim, na Itália). Tem um quê de documentário, mas é ficção. O autor filma a própria família, que passou por dificuldades e começa a se reorganizar. O mais surpreendente na direção de Bruno é a descoberta que ele faz do potencial dramático de sua mãe. Essa mulher nasceu para ser atriz. Tem a intensidade física e a boca amarga de Jeanne Moreau e Lilian Lemmertz. Dona de casa é abduzida por disco voador. Como fica a vida familiar?

 

  • Na Netflix

 


 

Osmar, A Primeira Fatia do Pão de Forma


Animação do brasileiro Alê McHaddo, com as vozes de Marcius Melhem e Leandro Hassum, e participações especiais de Anderson Silva, Costanza Pascolato e Johnny Luxo. A primeira fatia do pão de forma cansa-se de ser desprezada, esquecida, e vai tentar a sorte na cidade grande. Conseguirá ser apetitosa para novos paladares? Série antes de virar filme, possui admiradores para o seu estilo insólito - absurdo?

 

  • No Petra Belas Artes

 


 

Sorte Cega


O Reserva Cultural reabre com um ciclo de dez filmes de Krzysztof Kieslowski, todos remasterizados e dois inéditos nos cinemas brasileiros. Nesta primeira semana passam os três filmes da trilogia das cores, Não Amarás e o inédito Sorte Cega. Um estudante de medicina corre para pegar o trem. Seguem-se três versões possíveis para que o grande autor reflita sobre a realidade polonesa do começo dos anos 1980. O filme foi proibido pelas autoridades e só liberado anos depois.

 

  • No Reserva Cultural

 


 

Viver para Cantar


Exibido na Mostra do ano passado, o longa chinês estreia quase um ano depois, quando está para começar nova edição da Mostra de Cinema de São Paulo. A regente de uma ópera que sofre com a perda de público mantém segredo para o grupo que o lugar das apresentações será demolido. A obra de estreia de Johnny Ma aborda temas como a resistência - cantar para viver - e narra sua história com belíssimo colorido que vai ganhando um tom acinzentado - o risco da censura à arte. Emocionante, e de grande atualidade.

 

  • No Frei Caneca Arteplex e no Espaço Itaú Augusta

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.