Lucas Jackson Reuters
Lucas Jackson Reuters

Condenação de Harvey Weinstein por estupro é mantida em tribunal de recursos de NY

O veredito foi considerado um marco para o movimento #MeToo, no qual mulheres denunciaram dezenas de homens poderosos por abusos

Kanishka Singh e Rami Ayyub, Reuters

02 de junho de 2022 | 18h22

WASHINGTON - Um tribunal de recursos de Nova York manteve nesta quinta-feira a condenação de Harvey Weinstein por estupro e abuso sexual, rejeitando os argumentos do produtor de Hollywood de que o juiz responsável por seu julgamento teria cometido vários erros que prejudicaram a decisão. 

Weinstein recorria de sua condenação a 23 anos de prisão em fevereiro de 2020, por ter abusado da ex-assistente de produção Mimi Haleyi e por estuprar a ex-atriz aspirante Jessica Mann

"Nós rejeitamos os argumentos do réu, e afirmamos a condenação em todos os aspectos", afirmou um painel composto por cinco magistrados na Divisão de Recursos em Manhattan, não encontrando erros que provocariam a reversão da condenação ou da sentença de Weinstein. 

Juda Engelmayer, um porta-voz de Weinstein, disse que Weinstein irá recorrer da decisão na instância mais alta do Estado de Nova York. "Estamos decepcionados e tristes pelo sr. Weinstein", afirmou Engelmayer. 

O veredito foi considerado um marco para o movimento #MeToo, no qual mulheres denunciaram dezenas de homens poderosos por abusos e episódios de má conduta sexual. Muitos enxergam as acusações contra Weinstein, que emergiram em 2017, como um importante início para o movimento. 

Weinstein, de 70 anos, nega qualquer encontro sexual não consensual. 

Ele fez sete argumentos para reverter sua condenação, afirmando inclusive que as acusações de estupro eram fundamentadas em evidências insuficientes.

(Com Jonathan Stempel em Nova York)

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.