A2 Filmes
A2 Filmes

Comédia francesa mostra a vida amorosa na era digital

Em ‘As Primeiras Férias Não Se Esquece Jamais!’, casal se conhece em um aplicativo de relacionamento e decide cair na estrada

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2020 | 07h00

Camille Cottin estourou na França com a série de desenhos de comédia La Connasse. Depois disso, tem aparecido cada vez mais, e exibindo sua verve como comediante. Basta lembrar de Tal Mãe, Tal Filha, de Noémie Saglio, em que Juliette Binoche e ela, como mãe e filha, engravidavam ao mesmo tempo, o que criava situações ao mesmo tempo divertidas e humanas. Talvez não seja coisa dela, especificamente, mas os filmes com Camille possuem pontos de partida que colocam em discussão aspectos interessantes da vida contemporânea.

No caso de As Primeiras Férias Não Se Esquece Jamais!, que estreou na quinta, 12, a influência das ferramentas digitais na vida amorosa. Só que, desta vez, Camille Cottin não é protagonista, mas sua personagem, sugestivamente chamada de Fleur/Flor, marca presença em diálogos espirituosos. Há outra Camille no filme, a Chamoux.

A comédia do estreante Patrick Cassir mostra Camille Chamoux e Jonathan Cohen como Marion e Ben, um casal que acaba de se conhecer no Tinder. O aplicativo de relacionamento localiza pessoas geograficamente próximas para encontros românticos. Eles dão match. Mal se conheceram, estão vivendo só de atração física, mas resolvem queimar etapas partindo em viagem de férias. Vivem a primeira crise – ela quer ir a Beirute, ele, a Biarritz. Optam por um terceiro destino – a Bulgária. A viagem expõe as diferenças entre ambos. Criam-se situações divertidas, estressantes. Mas eles não desistem.

No original, é apenas As Primeiras FériasPremières Vacances. Mais que a tradicional comédia romântica, talvez seja uma comédia de costumes. A ‘outra’ Camille é ótima, mas a maior surpresa do filme é Jonathan. Ele chega a roubar a cena da parceira em cenas como a da casa da idosa búlgara, quando Ben tem de ir ao banheiro. Até por abordar uma ferramenta moderna como o Tinder, o filme constrói-se a partir de personagens descolados. Marion gosta de viver a vida intensamente. Uma mulher empoderada? Por aí. Ben é empresário. Gosta das coisas certinhas, mas é hipocondríaco. Muitas das cenas que vão construindo as tensões entre os dois ‘amantes’ nascem dessas diferenças que são perfeitamente verossímeis.

Sendo um filme de viagem – de estrada –, As Primeiras Férias é feito de encontros e desencontros. É como entram na trama a Flor/Camille Cottin e o Romain/Jérémie Elkaïm. E é aí, também, que o diretor começa a se enrolar. Se, no começo, a trama flui, leve e divertida, Ben fica mais pesado – abusivo? A trama evolui para uma cena quase explícita de sexo a três, mas volta ao casal e com direito a um final... Olha o spoiler. Mas o desfecho é bonitinho e acentua a boa vibe do filme.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.